Manifestação contra Bolsonaro | Foto: Reprodução/TV Globo

O Brasil de Bolsonaro é um país doente. E não estou me referindo somente à tragédia da Pandemia, que já ceifou mais de 590.000 vidas e continua ativa, preocupando a todos que não são negacionistas e não consideram a Covid-19 uma “gripezinha”.

Estou falando de uma outra praga, que atualmente assola nosso país: a disfuncionalidade. O nosso país funciona mal, é um barco à deriva.  Tudo começa, é claro, no atual mandatário da República, o disfuncional-mor. Sua presença, grotesca, no maior cargo executivo do país, contamina toda a administração. Seus apaniguados, nomeados para macaquearem o chefe, são coniventes com uma administração caótica, de sinais trocados, que está destruindo o Brasil. A impressão é que o país aloprou, que vivemos em um hospício, com nefastas consequências.

Se não, vejamos:

O titular da Controladoria Geral da União (CGU) se descontrola e o Procurador Geral procura pouco ou nada.

O ministro da Saúde não está bem de saúde.

O da Economia, chamado de “Posto Ipiranga”, anda desabastecido, com gasolina a R$ 7, inflação galopante e desemprego que não cede.

O da Educação não conhece a obra de Paulo Freire – e não gosta.

O do Meio Ambiente, chefe de gabinete do anterior, está se especializando em maquiar índices de desmatamento.

A Precisa Medicamentos é só “imprecisão” nos seus negócios com a União.

Uma operadora de planos de Saúde chamada Prevent Senior não é nada previdente, e está sendo acusada de esconder óbitos por Covid e ameaçar médicos que denunciaram as falcatruas.

Já o vice, general subordinado ao capitão, não é sequer informado de reuniões do ministério – um decorativo sem voz ativa até no exercício da presidência.

O retrato do Brasil de hoje tem uma legenda: demência.

Chega! O Brasil não aguenta mais a política de morte, a sabotagem da vacinação, o negacionismo, a fome e a carestia aviltantes, o desemprego crescente, a inflação galopante, a alta dos alimentos e dos combustíveis, a devastação ambiental e os crimes de responsabilidade de Bolsonaro.

Já passou da hora de apear o genocida do poder.

Então, anota aí na agenda: sábado, 2 de outubro, ruas, praças e cidades do Brasil serão ocupadas pelo povo organizado e mobilizado, gritando “Fora Bolsonaro”, pela democracia e contra o golpismo. O ato está sendo organizado pela Campanha Nacional Fora Bolsonaro e conta com o apoio dos partidos de oposição (PSOL, PT, PCdoB, PDT, PSB, PV, Rede, Solidariedade e Cidadania). Aqui no Rio, a manifestação será a partir das 10h na Candelária, com caminhada até a Cinelândia, onde haverá o Palco da Democracia e pela Vida.

graduado em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Mestre em Educação pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e doutorando pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Chico Alencar tem mais de 30 de atuação na política institucional. Foi deputado federal por quatro legislaturas (2003 a 2019), deputado estadual (1999 a 2003) e voltou a ser vereador em 2021

3 COMENTÁRIOS

  1. Kkkkkk sooonha sim ,não é proibido,só no comunismo !!!Negacionista q se recusa a enxergar a realidade!!!
    Não tem ninguém q faça frente a Bolsonaro,filho!!!Acorda!!!
    ISSO SIM É SER DISFUNCIONAL E NEGACIONISTA!!!kkkkkkkkk
    200 anos,e vc fez o q???Nada pela população!!!NADINHA!!!
    PS..teu filho tá gostando do emprego q Paes descolou pra ele?O salário é bom?

  2. Chico Alencar, vereador federal.

    Chico, tem uma pia de louça pra lavar não? Tem vários problemas da vida real que os cariocas precisam resolver e você é VEREADOR – tem que trabalhar pro carioca, pra ajudar o carioca. Você é pago para atuar na Câmara de Vereadores. Foco! Seu salário não é pra bancar ativismo não. Enquanto você faz firula, o carioca sofre.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui