Foto: Divulgação

Nesta sexta-feira (02/07), durante a divulgação do 26º Boletim Epidemiológico, a Prefeitura informou que após sete semanas consecutivas com todas as 33 regiões administrativas do município apresentando classificação de alto risco para a transmissão da Covid-19, o boletim desta semana registrou cinco delas em risco moderado: Portuária, Santa Teresa, Penha, Vigário Geral e Ilha do Governador.

Segundo o boletim, desde março de 2020, o Rio soma 368.354 casos de Covid-19, com 28.731 óbitos. Em 2021 são 156.555 casos e 9.953 mortes. A taxa de letalidade deste ano está em 6,4%, contra 8,9% em 2020; e a de mortalidade, em 149,4 a cada 100 mil habitantes, contra 281,9/100 mil no ano passado. A incidência da doença é de 2.350,2/100 mil, quando em 2020 era de 3.179,5/100 mil.

As médias móveis de atendimentos da rede de urgência e emergência, de casos confirmados de covid-19 e de óbitos pela doença na cidade do Rio apresentam queda sustentada.

Na última semana, 20 novos casos de diferentes variantes do vírus foram identificados na cidade, sendo 19 moradores locais. Desde a identificação do primeiro caso de novas variantes, o município contabiliza 654, sendo 534 residentes. São 522 casos da brasileira (P.1) e 12 da britânica (B.1.1.7). Dos moradores infectados por essas cepas, 40 faleceram, 17 permanecem internados e 477 já são considerados curados. Dos não moradores do Rio infectados pelas variantes, 24 vieram de Manaus, 7 de Rondônia e 89 de outros municípios.

Independentemente da variante, as medidas preventivas são as mesmas para a população: manter o distanciamento, usar máscaras e higienizar as mãos com álcool 70° ou, quando possível, água e sabão; além das demais medidas de proteção à vida.

Medidas de proteção à vida

As medidas de proteção à vida estabelecidas no Decreto Nº 48.912, de 27 de maio de 2021 foram prorrogadas até 12 de julho. Bares, lanchonetes, restaurantes, quiosques da orla e congêneres continuam com permissão para o consumo apenas para clientes sentados, com distanciamento mínimo de um metro e meio entre cada conjunto composto por mesa e cadeiras limitado a oito ocupantes, sendo admitida música ao vivo sem restrição de horário. Já as academias de ginástica, piscinas, centros de treinamento e condicionamento físico podem ter aulas em grupos, com a ocupação dos ambientes limitada a um indivíduo a cada quatro metros quadrados.

Casas de espetáculo, concertos e apresentações podem funcionar, desde que mantenham distanciamento mínimo de 1,5 metro entre os participantes, com capacidade de lotação máxima de 40% em locais fechados e 60% em locais abertos, somente com público sentado. As mesmas regras valem para atividades comerciais e de prestação de serviços localizadas no interior de shopping centers, centros comerciais e galerias de lojas, bem como as atividades de museu, biblioteca, cinema, teatro, casa de festa, salão de jogos, circo, recreação infantil, parque de diversões, temáticos e aquáticos, pista de patinação, entretenimento, visitações turísticas, aquários, jardim zoológico, apresentações, drive-in, feiras e congressos, exposições e eventos autorizados. Em todas essas ocasiões, a formação de filas de espera e de aglomerações na entrada e saída é proibida.

Rodas de samba estão liberadas, mas continuam suspensos o funcionamento de boates, danceterias e salões de dança; a realização de eventos, como festas com vendas de ingresso, em áreas públicas e particulares. A fiscalização das indicações do decreto será feita pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (SEOP), a Guarda Municipal do Rio de Janeiro e o Instituto Municipal de Vigilância Sanitária, Vigilância de Zoonoses e de Inspeção Agropecuária (IVISA-Rio) da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui