Clarissa Clarissa Garotinho promete criar arranjos produtivos de inovação

A candidata do PROS à Prefeitura do Rio em 2020, Clarissa Garotinho, participou de uma live com o TI Rio

A candidata do PROS à Prefeitura do Rio, Clarissa Garotinho, participou de uma live, na manhã desta sexta-feira (2/10), com integrantes do Sindicato das Empresas de Informática do Estado do Rio de Janeiro (TI Rio), entre eles o presidente Benito Paret, além de outros empresários do setor. Na sabatina transmitida pelo canal da associação no Youtube (TIRIOTV), Clarissa apresentou suas propostas para criar um ambiente de negócios mais favorável para empresas de tecnologia e, assim, tornar a cidade do Rio mais inteligente e inovadora.

Entre os compromissos firmados com o segmento, estão a aprovação de uma Lei de Inovação para o Rio, a criação de arranjos produtivos de inovação e o combate à burocracia, por meio do programa ‘Rio sem Burocracia’. O objetivo das medidas é não somente impedir que empresas inovadoras (a exemplo das startups) saiam da cidade em direção a outras capitais com melhores condições, como também atrair novas companhias interessadas em empreender no Rio, gerando renda e trabalho para a população.

“Nós entendemos a tecnologia como meio de transformação. Já passou o tempo de a gente discutir uma cidade com obras faraônicas, que não melhoraram a vida das pessoas. O Rio está vivendo um período difícil. Nós temos um ex-prefeito que praticamente dobrou o endividamento da cidade. E nós teremos muito trabalho para recuperar a sua capacidade de investimento. O Rio precisa, de fato, ser uma cidade mais moderna, mais inteligente”, disse.

Algumas propostas para o setor de inovação previstas no programa de governo de Clarissa:

1 – Garantir a aprovação do projeto da lei de inovação sobre “sistemas, mecanismos e incentivos às atividades científica, tecnológica, inovativa e da economia criativa, visando ao
desenvolvimento sustentável”, idealizado e elaborado por Clarissa Garotinho quando esteve a frente da Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação. A proposta está pronta de o início de 2018, mas demorou 2 anos para ser enviada pelo atual prefeito à Câmara Municipal. Precisamos da urgência à aprovação.

2 – Vamos dotar o Rio de Janeiro de mecanismos de fomento à inovação. Para isso, propomos a instituição das seguintes estruturas:
a) Sistema Municipal de Inovação, que vai reunir e articular atores públicos e privados interessados em desenvolver soluções inovadoras em prol da municipalidade.
b) Conselho Municipal de Inovação, com o objetivo de propor e avaliar ações e políticas públicas de promoção da inovação e indústria criativa para o desenvolvimento do município.
c) Fundo Municipal de Inovação, em substituição ao Fundo Municipal de Amparo à Pesquisa, no intuito de apoiar “planos, estudos, projetos, programas, serviços tecnológicos e de
engenharia, capacitações, eventos e outras atividades de cunho inovador ou destinados ao incentivo à economia criativa que resulte em soluções de interesse para o desenvolvimento e inovação”, como prevê o projeto da lei de inovação em tramitação no Legislativo Municipal.
d) Escritório avançado de Apoio à Inovação, o Rio 21.

3 – Criar o programa de Arranjos Municipais de Inovação. Os primeiros serão delimitados na região da Zona Portuária e na Barra da Tijuca. Os arranjos municipais de inovação serão
também regiões de fomento à economia criativa da cidade.

4 – Vamos transformar a Zona Portuária do Rio de Janeiro em uma grande área de laboratório urbano para testar soluções inovadoras a serem aplicadas em nossa cidade.

5 – Vamos instituir o Plano de Inovação da Administração Pública com o objetivo de propor soluções para o Município, especialmente dotar o Rio de “mecanismos necessários a cidades inteligentes”. O Plano Anual de Inovação contemplará “estudos de viabilidade, projetos experimentais, experimentos de soluções, estudos científicos de desempenho e impacto e pesquisas de novas soluções para o Município”.
a) Cada secretaria municipal ou ente da administração indireta deverá, anualmente, selecionar problemas ou entraves a serem corrigidos com soluções inovadoras.
b) A Prefeitura do Rio lançará rodadas de desafios a empreendedores para que eles
busquem soluções para os problemas apresentados pela administração pública.
c) As startups construirão soluções para cada problema apresentado.
d) Cada órgão público escolherá a solução que melhor lhe atender, firmando então
convênio com a startup vencedora, sem qualquer repasse de verbas.

6 – Colocar o Rio entre as três cidades mais inteligentes do país. Hoje, o Rio de Janeiro está em 12º no ranking Smart Cities, atrás de cidades como São Paulo, Florianópolis, Curitiba, Campinas, Brasília e Niterói.

7 – Vamos trabalhar em parceria com as universidades, institutos científicos e parques tecnológicos instalados na cidade do Rio para fomentar a pesquisa em nosso município.

8 – Retomar a vocação do Centro de Operações Rio (COR) como centro integrado de monitoramento e planejamento de ações e respostas da cidade. Vamos garantir ao COR todos os equipamentos necessários para que se possa maximizar o resultado das operações ali planejadas e executadas.

9 – Implementar no Rio de Janeiro uma escola pública de programação

Clarissa foi entrevistada pelo DIÁRIO DO RIO na série de entrevistas com os candidatos a prefeito do Rio de Janeiro em 2020

Conheça os candidatos a prefeito do Rio, e os candidatos a vereador do Rio em 2020.

Advertisement

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui