Guardas municipais na Avenida Atlântica durante a Operação Verão
Guardas municipais na Avenida Atlântica durante a Operação Verão - Foto: Prefeitura do Rio

Passados 30 dias do início da Operação Verão, que visa reforçar a fiscalização na orla do Rio de Janeiro por meio da atuação de agentes da Guarda Municipal (GM) e da Secretaria de Ordem Pública (Seop) integrados a policiais militares e civis, o saldo, de acordo com a Prefeitura da capital fluminense, é positivo até então.

Nesse primeiro mês de ação, a GM registrou 12 prisões, entre elas um caso de estelionato e de um homem que cortou coqueiros em Copacabana, além de furtos, depredações e posse de drogas. Os agentes também atuaram em 67 conduções para delegacia e/ou averiguação de situações suspeitas após denúncias de cidadãos ou pela Central 1746. No primeiro dia de atuação, isto é, 28/08, foram realizadas 42 abordagens, que resultaram na condução de 11 pessoas para delegacias da região.

Além disso, equipes do Grupamento de Guardas Motociclistas (GGM) atuaram junto à Polícia Militar para conter um tumulto em um ponto de ônibus na Avenida Prado Júnior, em Copacabana, enquanto que, no dia 09/09, guardas foram acionados pelo motorista de um ônibus da linha 483, na Avenida Princesa Isabel, no mesmo bairro, para retirar pessoas que haviam entrado pela traseira do veículo sem pagar a passagem e estavam provocando tumulto.

Em relação à fiscalização das posturas municipais e ações de ordenamento, foram registradas 1.931 multas de trânsito e 104 infrações sanitárias. Foram apreendidos 603 produtos que estavam sendo vendidos sem autorização, ainda foram apreendidos 8 coletes com flanelinhas, coibindo a ação deles, e um cone usado irregularmente para reservar vaga.

Também foram retiradas 4 barracas de camping da praia e 3 churrasqueiras. Paralelamente, foi impedida uma prática esportiva em local e horário proibido. Em 23/09, por sua vez, os guardas municipais apagaram um foco de incêndio no Parque Garota de Ipanema, que, segundo testemunhas, teria sido provocado por uma guimba de cigarro.

Vale ressaltar que as equipes da GM também estão atuando em ocorrências diversas de auxílio ao público, além de estarem distribuindo pulseiras de identificação na areia das praias. Os agentes ajudaram, até o momento, 4 crianças perdidas a reencontrar os responsáveis. Além disso, o Grupamento Marítimo Municipal (GMM) também vem atuando na fiscalização de embarcações, verificando documentação, fiscalizando o cumprimento das medidas sanitárias e coibindo aglomerações, entre outras coisas.

Outro ponto importante a se destacar é que, durante a Operação Verão, nos finais de semana entre os dias 04 e 26 de setembro, agentes da Coordenadoria de Controle Urbano (CCU) fiscalizaram 266 ambulantes e 138 deles foram removidos por falta de autorização para atuarem na orla. A Coordenadoria de Fiscalização de Estacionamentos e Reboques (CFER) removeu 886 veículos em ação para coibir o estacionamento irregular em toda a orla.

1 COMENTÁRIO

  1. Cheio de pessoas em situação de rua com suas barracas em locais como praças e parques, algumas utilizando a sombra das poucas árvores como local onde instalam as barracas, algumas amarradas nos bancos dessas praças e parques. Mas a Prefeitura do Rio e o Governo do Estado do RJ não retiram essas pessoas desses locais para abrigos. Os bancos e as sombras das copas das árvores não são aproveitadas pelos turistas e cariocas que passeiam pela cidade. Algumas áreas dessas praças e parques tem um odor horrível dos excrementos necessidades fisiológicas, na maioria dessas pessoas em situação de rua. Em alguns locais sente-se cheiro de fio queimado (será de algum furto de cabos?) e até drogas como crack. Áreas da cidade que deveriam ser cuidadas e com potencial turístico tem invasão, destruição e poluição visual, como recentemente noticiado na Glória, onde até duas jovens eram mantidas reféns. É preciso ação social integrado às ações de policiamento ostensivo e atuação conjunta da guarda…

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui