Secretário Matheus Quintal durante o simpósio realizado em 25 de novembro de 2021 - Foto: Divulgação

Nesta quinta-feira (25/11), a Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro, recebeu o Simpósio de Cuidado e Prevenção às Drogas, no qual o Governo do Estado anunciou o lançamento de edital para a abertura de 550 novas vagas de atendimento para dependentes químicos em comunidades terapêuticas fluminenses, com investimento de aproximadamente R$ 10 milhões.

Vale ressaltar que, atualmente, o RJ tem cadastrados 300 espaços como esses, que realizam acolhimento a mais de 10 mil pessoas que encontram-se em estado de dependência química.

”Essa é uma ação conjunta do governo, que visa dar oportunidade aos que precisam desse atendimento. São vagas que serão oferecidas ainda este mês. Além disso, essa oferta também vai apoiar o Hotel Acolhedor, projeto recém lançado que visa o acolhimento a moradores de rua, que poderão agora ser encaminhados para essas comunidades também”, disse o secretário estadual de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Matheus Quintal.

No início do evento, como forma de abertura e em tom de otimismo pelo futuro, o coral da Federação de Comunidades Terapêuticas do Estado do RJ (Fecomterj) apresentou duas canções: ”Dias Melhores”, da banda mineira Jota Quest, e ”É Preciso Saber Viver”, do grupo paulistano Titãs.

Coral da Fecomterj no simpósio – Foto: Raphael Fernandes/Diário do Rio

No decorrer da apresentação do simpósio, foi firmado entre o Poder Executivo fluminense e o Governo Federal, por meio do Ministério da Cidadania, representado no evento pelo secretário nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas, Quirino Cordeiro Júnior, um ”Termo de Cooperação Técnica” para monitoramento e fiscalização às comunidades terapêuticas do RJ que estejam devidamente cadastradas.

”Cerca de 90% das comunidades terapêuticas são administradas por instituições filantrópicas. O papel do estado é acolher e encaminhar os dependentes para estas comunidades, mas também de viabilizar recursos e garantir que o atendimento seja feito de forma completa e segura. A porta de entrada pode ser através de um hospital, de um centro de atendimento de um projeto do estado. Normalmente, a comunidade é a última instância do tratamento. Por isso é importante que esse convênio seja amplo e eficaz”, disse, por sua vez, Marcos Salles, subsecretário de Cuidados Especiais, vinculado à Secretaria Estadual da Casa Civil.

Respectivamente, Quirino Cordeiro, Marcos Salles e Matheus Quintal após a assinatura do Termo de Cooperação Técnica – Foto: Raphael Fernandes/Diário do Rio

Em suma, o simpósio teve como objetivo debater o papel das comunidades terapêuticas, o acompanhamento aos acolhidos, as questões sanitárias, a infraestrutura, além dos tratamentos oferecidos e os profissionais que estão atendendo essa referida população.

Além de oferecer recursos para viabilizar o atendimento, o Governo do Estado também tem o papel de monitorar o acolhimento aos dependentes químicos feito nestas instituições.

Encerramento do simpósio – Foto: Raphael Fernandes/Diário do Rio

É importante mencionar também que, entre outras participações, o simpósio contou com um vídeo enviado pelo deputado federal Hugo Leal (PSD), que não pôde comparecer pessoalmente devido a compromissos na Câmara.

”Quero me colocar à disposição para recompor os valores e créditos que cabem à subsecretaria de Prevenção às Drogas. Garantir que as comunidades terapêuticas continuem fazendo o trabalho”, disse ele.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui