Taí um setor da economia do Rio que não está passando por crise, de acordo CDLRio (Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro) o comércio varejista carioca gastou R$ 1,2 bilhão com segurança de abril de 2016 a abril de 2017 com a contratação de vigilantes, equipamentos eletrônicos, grades, blindagens de portas e reforço de vitrines. O número é da pesquisa “Gastos com segurança em estabelecimentos comerciais”, que ouviu 750 lojistas. A pesquisa mostra também que dos entrevistados 150 já tiveram seus estabelecimentos assaltados, furtados ou roubados, 20% mais do que no ano passado.

De acordo com Aldo Gonçalves, presidente do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro – CDLRio, é como se fosse mais um tributo pago pelos lojistas, já massacrados pelo peso da burocracia e da alta carga tributária. “A violência urbana na cidade do Rio de Janeiro vem prejudicando bastante o comércio, já afetado pelo quadro econômico do país e, em especial pela crise do Estado do Rio, que tem influído profundamente no comportamento do consumidor, que por um lado fica com medo de sair de casa e por outro reduz seus gastos, entre eles as compras. Não é sem razão que mais de 720 estabelecimentos comerciais fecharam suas portas em janeiro”, diz Aldo.

Ele lembra que esse R$ 1,2 bilhão poderia ter sido investido na ampliação dos negócios, como novas lojas, reformas, treinamento de pessoal, gerando mais emprego e renda. Ainda segundo Aldo Gonçalves esse retrocesso na segurança pública no Estado do Rio de Janeiro preocupa a toda a sociedade e inibe os investimentos dos setores produtivos e vê com muita tristeza o esfacelamento das UPPs, projeto que trouxe bastante esperança para toda a população e animou os comerciantes.

De acordo com o presidente do CDLRio o sucesso inicial da implantação das UPPs, especialmente nas comunidades da zona norte do Rio de Janeiro, refletiu rapidamente na dinamização e no desempenho do comércio. “No lugar de inúmeras lojas fechadas nos bairros adjacentes àquelas comunidades, causando prejuízo de milhões de reais e fazendo inclusive vitimas entre os lojistas, surgiram novos estabelecimentos, com decoração e vitrines modernas, retomando a geração de emprego e movimentando a economia local”, explica Aldo Gonçalves.

Outro fator que também animou muito os lojistas com a implantação das UPPs foi a possibilidade de transformar os vultosos gastos com aparatos de segurança para os seus estabelecimentos, que representam uma considerável parcela do seu faturamento, em investimento na melhoria e no crescimento dos negócios, beneficiando toda a cadeia produtiva do comércio.

Localização dos estabelecimentos entrevistados.
TOTAL
Norte 32,1%
Oeste 24,6%
Sul 22,9%
Centro 20,4%

Despesas com segurança privada: cerca de R$ 1,2 Bilhões, incluindo segurança, equipamentos eletrônicos, grades, blindagens, reforços de portas e vitrines e seguros.
Total gasto com Segurança
Segurança privada, vigilantes R$ 744 Mi 62%
Equipamentos vigilância eletrônica R$ 324 Mi 27,%
Gradeamento, blindagens, reforços de portas, de vitrines, seguros R$ 132 Mi 11%
R$ 1,2 Bi

Dos 750 entrevistados 150 tiveram seus estabelecimentos furtados ou assaltados ou roubados.
Em relação à quantidade de lojistas entrevistados o volume de resposta dos que foram assaltados ou furtados ou roubados, cresceu em torno de 120%.

Lojistas entrevistados, que responderam que tiveram seus estabelecimentos assaltados ou furtados ou roubados.
Respostas 2016 Respostas 2017
(9%) 68 (20%) 150

Estado do Rio de Janeiro
Estabelecimentos Fechados – Jan/Mar
2016 2017 %
2.996 3.950 31,8
Fonte: Centro de Estudos-CDLRio
Nota: Neste total estão incluídas lojas que fecharam suas portas por conta da crise econômica e /ou violência.

Município do Rio de Janeiro
Estabelecimentos Fechados – Jan/Mar
2016 2017 %
1.263 1.693 34,0
Fonte: Centro de Estudos-CDLRio
Nota: Neste total estão incluídas lojas que fecharam suas portas por conta da crise econômica e /ou violência.

Estabelecimentos Fechados no Município do Rio Localização – Acumulada
Jan/mar 2016 2017 %
Centro 190 276 45,3
Norte 474 618 30,4
Oeste 384 511 33,1
Sul 215 288 34,0
Total 1263 1693 34,0
Fonte: Centro de Estudos-CDLRio
Nota: Neste total estão incluídas lojas que fecharam suas portas por conta da crise econômica e /ou violência.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui