A Comissão Especial de Esportes de Alto Rendimento da ALERJ se reuniu hoje para discutir a venda de pipoca no Maracanã… Isso mesmo, parece piada, mas o assunto é sério. Em vistoria a comissão descobriu que a comercialização de pipoca sem autorização, em 12 jogos, causou um prejuízo de mais de R$100 mil aos cofres do Estado do Rio de Janeiro.

Resolveram, sem qualquer contrato, vender pipoca em carrinhos de pipoca dentro do estádio. Em primeira análise, parece algo simplório, mas em 12 jogos, trouxe um enorme prejuízo ao estado do Rio de Janeiro”, declarou o presidente da comissão, deputado Rodrigo Amorim (PSL). Ele declarou, também, ter confirmado a comercialização não apenas de pipoca, mas de outros produtos sem cobertura jurídica e recolhimento de impostos.

O deputado ainda ressaltou que o comércio no Maracanã e no seu entorno tem funcionado de forma clandestina em dias de jogos e grandes eventos, por conta do número elevado de irregularidades verificadas: “A empresa que comercializa e detém o monopólio de vendas dentro do estádio tem registrado, nas Receitas Estadual e Federal, que a sua sede é no estádio. Isso é um verdadeiro absurdo”.

A inspeção também verificou a ausência de autorização para o ‘Maracanã Mais’ (área reservada aos camarotes) e presença de policiais armados em áreas de circulação dos torcedores. Além disso, foi encontrada, na área da rampa de acesso do Bellini, uma oficina improvisada.

Identificamos que em um dos principais acessos ao estádio, onde passam centenas de pessoas por minuto em dias de jogos, há uma oficina improvisada. Ali tem farto material perfurocortante, martelo, barras de ferro. Numa hipótese de briga generalizada, esses materiais poderiam ser usados como arma”, explicou o deputado.

No decorrer da vistoria, o parlamentar afirmou ter ouvido relatos que o espaço do Museu do Índio tem servido como entreposto do crime: “Alguns produtos irregulares, contrabandeados, têm sido estocados naquele local, ao lado do estádio, e nos dias de jogos os ambulantes clandestinos comercializam esses produtos, causando graves prejuízos e transtornos. Tomaremos as medidas junto aos setores de inteligência da Segurança Pública no sentido de realizar uma ação para coibir e punir as pessoas que estão envolvidas nessa operação criminosa”.

O major Hilmar Faulhaber Neto, subcomandante do Batalhão Especializado em Policiamento em Estádios (BEPE), salientou que os torcedores não têm acesso ao local de funcionamento da oficina. “Nós temos conhecimento da oficina. A Polícia Militar realiza o laudo de segurança que aprova que o estádio possa receber os torcedores, aquela oficina está num local onde eles não têm acesso em dias de jogos. Não é o local ideal, a gestão do Flamengo poderia adotar uma área fechada para colocar aquele material. Porém, oferece o mínimo de segurança para que o público possa ser recebido no Maracanã”, comentou.

Mais segurança nos estádios

Jorge Felippe Neto e Rodrigo Amorim – Foto: Julia Passos

O caso do torcedor flamenguista que matou um botafoguense durante conflito entre torcidas no Engenhão, em 2017, também foi discutido na audiência. Entretanto, o major Faulhaber assegurou que a Polícia Militar tem trabalhado com um nível satisfatório de segurança. “Desde aquele jogo do Flamengo no Maracanã em que houve a invasão generalizada (contra o Independiente/ARG, em dezembro de 2017), não tivemos mais nenhum incidente grave. Isso é fruto de aperfeiçoamento, de adaptações, de tomada de procedimentos por parte tanto da gestão, quanto da Polícia Militar e da Prefeitura. Hoje, atuamos ali com um nível de segurança satisfatório”, frisou.

Participante da audiência, Marcelo Viana, diretor de competições da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), comentou sobre a importância de a comissão cobrar melhores condições nos estádios. “Nós temos um olhar jurídico, de quem está realmente voltado para tomar conta dos espetáculos. É importante para nós que os estádios estejam de forma regular e os torcedores, em segurança”, disse ele.

1 COMENTÁRIO

  1. Até apoio essa situação de alguma maneira pois realmente aqueles vendedores ambulantes fora do Maracanã estão fora de ordem, vamos vender, mas fazer algo bonito, se não o Maraca vai virar uma Central. No entanto, a ALERJ também deveria abrir comissões para discutir o abandono dos Patrimônios Arquitetônicos desta cidade e sua revitalização. A própria Central é um exemplo, a Estação Leopoldina, o Edifício A Noite na Praça Mauá, entre outros. Lugares com arquitetura incrível e cheios de história, abandonados e sem vida, sujos, feios, degradados. Triste Brasil.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui