O conjunto de favelas do Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio de Janeiro, acaba de ganhar um espaço dedicado aos pequenos, com jogos e brincadeiras concebidos especialmente para ajudar a desenvolver suas habilidades emocionais, cognitivas, físicas, sociais e criativas. A ação é parte do Favelas do Brincar, uma série de intervenções lúdicas dedicadas ao desenvolvimento das crianças que serão implementadas em áreas públicas de favelas. A iniciativa do Movimento Unidos Pelo Brincar, que agora chega ao Alemão, já passou por Paraisópolis (SP) e, nos próximos meses, segue para Heliópolis. 

A sede de contêineres empilhados e coloridos que dão vida ao Espaço Democrático de União, Convivência, Aprendizagem e Prevenção (EDUCAP) é o espaço que abriga as intervenções do Favelas do Brincar no Alemão. Com a iniciativa, foi realizada ainda uma obra de revitalização que gera um pouco mais de segurança às crianças, com a construção de muros de proteção no ambiente. Atualmente, o EDUCAP está à frente de atividades educacionais, ações dedicadas às mulheres, projetos comunitários e profissionalizantes, além de ser uma base de acolhimento para as famílias da comunidade e fora dela.

“Toda criança tem o direito ao lazer, por isso, o ‘Favelas do Brincar’ tem uma importância neste contexto. O brincar traz desenvolvimento e inclusão para as crianças, principalmente, àquelas que precisam de espaços lúdicos de interação, segurança e qualidade. Isso é de extrema importância nas favelas”, afirma Lúcia Cabral, educadora e fundadora do Educap.

Direito fundamental de toda criança, o brincar é parte integrante dos processos de aprendizagem. No cenário brasileiro e em especial nas comunidades, espaços adequados são um desafio, que se tornou ainda mais crítico durante a pandemia da COVID-19. A pesquisa “O Brincar nas Favelas Brasileiras”, realizada pelo movimento Unidos pelo Brincar em parceria com o Instituto Locomotiva e o Data Favela, apontou que 88% das mães entrevistadas recorrem a telas – celular, TV – para entreter as crianças. A quarentena e o fechamento de creches e escolas, ao invés de aproximar mães e filhos, os afastou ainda mais: 50% acham que a pandemia trouxe dificuldade em encontrar tempo para brincar com as crianças. E não é por falta de compreensão da importância do brincar. Na pesquisa, 92% das mães dizem acreditar que as brincadeiras são importantes para o aprendizado infantil, principalmente para habilidades de comunicação, socioemocionais, desenvolvimento físico e concentração.

Favelas do Brincar nasce dentro do Movimento Unidos Pelo Brincar, em parceria com o G10 Favelas, como fruto da percepção dessa situação crítica. Seu objetivo é impulsionar a aprendizagem através das brincadeiras e abrir caminhos para que organizações, comunidades e governos repliquem o formato em outros territórios. Os recursos utilizados para desenvolvimento das ações nas favelas de Paraisópolis (SP), Heliópolis (SP) e Complexo do Alemão (RJ) estarão disponíveis no site  favelasdobrincar.org. Seu público alvo são instituições, governos locais e também cidadãos organizados que decidam replicar a intervenção em suas comunidades em prol das crianças, do brincar e do aprendizado. O Favelas do Brincar reforça o objetivo de unir organizações da sociedade civil e chamar a atenção do poder público para a importância desses espaços para o desenvolvimento integral das crianças. 

A iniciativa usa recursos do projeto Pé de Infância, da Bernard van Leer Foundation, e da iniciativa Playful Learning Landscapes (PLLAN). 

Serviço
Lançamento Projeto “Favelas do Brincar”
Realização: Movimento Unidos pelo Brincar e G10 Favelas
Apoio: Bernard van Leer Foundation e Playful Learning Landscapes (PLLAN)
Data: 18  de outubro de 2021
Onde: Espaço Educap 
Endereço: Rua Canitar, Campo do Sargento, S/N, Inhaúma, Rio de Janeiro – RJ 

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui