Foto: Tânia Rego/ Agência Brasil

Um convênio para criar bibliotecas em comunidades quilombolas do Estado do Rio de Janeiro foi assinado pelo presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), professor Marco Lucchesi, junto com a presidente do Instituto de Terras e Cartografia do Estado do Rio de Janeiro (Iterj), Cláudia Franco.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

A iniciativa, que também tem como objetivo doar livros às escolas que atendem as comunidades, surgiu após uma visita dos órgãos aos quilombos Maria Joaquina, Preto Forro, Fazenda Espírito Santo e Quilombo de Sobara, localizados em Araruama e Cabo Frio, na Região dos Lagos.

Durante o encontro, em junho deste ano, foram entregues as primeiras doações de exemplares da ABL e também de DVDs. A parceria ainda prevê que a ABL escolherá e doará livros adequados à realidade quilombola e o ITERJ será o responsável pela distribuição e implantação de bibliotecas em áreas de quilombos.

“As comunidades quilombolas guardam e preservam tesouros de nossa cultura. Estamos com uma dívida impagável. A ABL participa com uma pequena parte desta restituição”, pontuou, Lucchesi.

De acordo com o Iterj, existem 2.197 comunidades quilombolas reconhecidas no Brasil e 29 delas estão localizadas no estado do Rio de Janeiro.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui