As Belezas de Brasília por Xavier Donat Ainda nem começou a campanha e já está tendo confusão, tanto na chapa PV-DEM-PSDB-PPS, como no PMDB-PT.

 

Na chapa de oposição a Cabral e Lula, formada pelos partidos PV-PPS-PSDB-DEM, que tem como principais pré-candidatos Gabeira (PV, governador) e Cesar Maia (DEM, senador) a razão é que o PV não quer Maia candidato. A razão seria que os verdes não poderiam apoiar Maia para seus eleitores de classe média, apesar de ter feito parte do governo dele até 2007 e feito chapa em 2006 quando Sirkis veio candidato a senador.

Acontece, de acordo com entrevista do presidente nacional do Democratas, Rodrigo Maia, a Josias de Souza, é que se o PV decidir por não ter em sua chapa o DEM, pode ficar sem o PPS e o PSDB:

“Temos no Rio uma aliança do DEM, PSDB e PPS com o PV. Ou o Gabeira terá os três partidos ou não terá nenhum”.

Sem os aliados a situação complicaria muito para Gabeira, só teria o tempo de Tv de seu partido e perderia entrada no interior, Baixada e Zona Oeste. Ainda poderia dividir votos com um eventual candidato da chapa de oposição que tentaria formar um palanque para José Serra (PSDB) no Rio de Janeiro. Quem teria sua vida facilitada é Sergio Cabral (PMDB) que com tempo de Tv, máquina estatal e força econômica esmagaria as pretensões dos Verdes na zona Sul.

 

Já na chapa da situação as coisas também não estão boas. O ex-prefeito de Nova Iguaçu e pré-candidato do PT ao Senado, Lindberg Farias e o pré-candidato ao Senado pelo PMDB e presidente da ALERJ, Jorge Picciani, que dividem a chapa de apoio ao governador Sergio Cabral (PMDB) estão em pé de guerra.

 

No mesmo dia do seu afastamento da prefeitura de Nova Iguaçu, foi divulgada para a imprensa a informação sobra a quebra de seu sigilo bancário e fiscal pela Justiça para investigar denúncias de suposto esquema de desvio de verbas em Nova Iguaçu. Para Farias foi o grupo Picciani o responsável por este vazamento, o qual nega.

 

De acordo com a coluna de Berenice Seara do Extra, Picciani teria atacado bastante Lindeberg em entrevista ao “Jogo do Poder” que vai ao ar na CNT às 23 hs deste domingo. Sobre o fato de o PTista o estar acusando pelas denúncias disse “Isso é comportamento de criminoso. Como não tem como responder à Justiça, coloca na conta dos outros”.  E “Ele vai ter que explicar é à Justiça como ele e seus familiares criaram 12 empresas que foram contratadas irregularmente pela Prefeitura”.

 

Já Lindberg parece que vai responder na mesma moeda. De acordo com Garotinho, em ligação para ele, Lindberg teria dito o seguinte:

“Em 94 Picciani tinha um Corcel velho. Era assim que fazia campanha nos subúrbios do Rio. Hoje é um grande fazendeiro, um dos maiores criadores de gado do Brasil. Se alguém tem que se explicar como enriqueceu não sou eu”.

E o Crivella (PRB)? Parece que o presidente Lula o quer como candidato da chapa de Cabral, provavelmente no lugar de Picciani, o que praticamente garantiria sua reeleição (hoje o Bispo tem apenas cerca de 30 segundos de Tv). Vai ver que é por isso que Picciani está tão nervoso mas tem razão no que falou, com certa razão:

“Crivella quis ser tudo na vida, quis ser prefeito, quis ser governador, menos senador”

Não quero nem ver como vão estar as coisas como começar as eleições. Mas, ressalto, é muito saudável a democracia este tipo de denúncia, ajuda na hora da escolha.

 

Foto: As Belezas de Brasília por Xavier Donat

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui