Foto: Sabrina Vasconcelos

O Maracanã, sem dúvidas, já foi cenário de muitas emoções, seja comemorações por vitórias, tristezas em derrotas, Copa do Mundo… Mas não para por aí. Para Aline Bordalo e Alexandre Araújo, ambos apaixonados por futebol, o estádio foi cenário de um dos dias mais importantes da história do casal: o dia do casamento.

Tudo começou em 2014, ano de Copa do Mundo no Brasil, quando o casal descobriu que a revista “Inesquecível Casamento” faria um casamento fake no Maracanã para uma edição especial. Aline e Alexandre, que vinham de um primeiro casamento, já haviam combinado que quando se casassem seria algo totalmente diferente e fora do convencional. E ali estava a chance perfeita.

A oportunidade e o convite vieram, mas com uma condição: o casamento aconteceria em 15 dias, pois o Maracanã seria entregue para a FIFA. E, obviamente, o casal não exitou em dizer “sim”. Convite aceito, foram aos preparativos. Aline contou ao DIÁRIO DO RIO que tudo já estava organizado e que ganhou tudo, pois o evento já aconteceria, mesmo que de forma fake.

Foto: Michele Iassaroni

E 15 dias depois, chegou o grande dia. O casal diz sem a menor sombra de dúvida que tudo foi impecável. Uma cantora lírica do Theatro Municipal cantou as músicas escolhidas por Aline e Alexandre, o estádio foi iluminado em azul e o altar foi montado de frente para o gramado. Um cenário marcante para todos presentes e inesquecível para os noivos.

Até quem não gosta de futebol ficou impactado, porque foi uma imagem muito linda e nunca vista antes”, contou Aline.

O casal contou que, além de tudo, foi perfeito porque havia uma ligação entre eles e o estádio. Aline é jornalista esportiva e o gramado do Maracanã era, literalmente, seu local de trabalho. E Alexandre também é totalmente ligado ao esporte – também jornalista esportivo – ele apresentava um programa sobre futebol há 20 anos.

Mas, sobre a polêmica com a mudança de nome do Maracanã, vale destacar que o casal diverge. Enquanto Aline concorda com a alteração, Alexandre acha um absurdo e é totalmente contra.

Eu sou a favor, porque acho que estádio tem que ter nome de jogador de futebol, jornalista dá nome à sala de imprensa, hospital tem que ter nome de médico… eu penso assim. E acho super justa a homenagem ao Pelé, porque ele fez o gol mil ali, Maracanã lotado, foi um dia que realmente ficou marcado ali”, defendeu Aline.

Já Alexandre diz que o projeto é patético: “Nada contra o Pelé, mas o Mário Filho tem a história e você não pode mudar a história. O Maracanã está ali naquela região, só é daquele tamanho, muito por conta do trabalho que o Mário Filho fez naquela época, junto com o ‘Jornal dos Esportes’, foi o cara que criou o termo ‘Fla x Flu’, um cara que impulsionou o futebol carioca nos anos 40 e nos 50, então é justa a homenagem a Mário Filho”.

Foto: Michele Iassaroni

No entanto, quanto ao sentimento em relação ao estádio e ao emocionante momento do “sim”, o casal concorda:

A sensação de casar no Maracanã foi extremamente feliz, porque a gente estava em um palco que a gente sempre frequentou e eu estava casando com a mulher da minha vida. Então foi uma cerimônia muito bonita, que causou inveja em muita gente, porque muita gente queria casar no Maracanã e a gente teve essa oportunidade e não pagamos nada por isso”, contou Alexandre.

O casal compara a sensação de ter se casado no estádio com a de um jogador fazendo o gol do título nos 45 minutos do segundo tempo. E, sem dúvidas, para Aline e Alexandre, foi o “gol” mais bonito marcado no Maracanã.

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui