Brutus, o cachorro vira-lata que foi à Guerra

O vira-lata caramelo, que já virou um símbolo do Rio de Janeiro no imaginário popular, tem um herói de guerra para chamar de seu. Durante a Guerra do Paraguai, que aconteceu de dezembro de 1864 a março de 1870, as tropas brasileiras, no 31º Corpo de Voluntários da Pátria, tinham como mascote o cachorro Brutus.

Brutus era um cão vira-lata do centro da cidade que uma vez entrou no quartel e acabou ficando por ali, sendo criado pelos soldados. Quando se deu a apresentação naquele quartel dos praças e oficiais que integrariam o 31ª Corpo de Voluntários da Pátria.

“Brutus se apresentou no pátio e marchou com os soldados até a praça Mauá, onde embarcou no navio até o Paraguai”, informa um artigo de  Matias Maxx, chamado Armas, Fardas, e um Cachorro Empalhado no Museu da PMERJ.

Os relatos históricos mostram que Brutus auxiliou em missões de resgate a soldados feridos e foi até ferido em combate, mas sobreviveu e voltou vitorioso ao país na condição de herói.

No entanto, anos depois, passeando pelo Campo de Santana, Brutus morreu envenenado.

O cão era muito querido por todos. Por isso, soldados fizeram uma vaquinha para pagar a autópsia e taxidermia do cachorro, confeccionando uma coleira comemorativa que pode ser vista com ele até hoje no museu.

Hoje em dia, o animal está  empalhado no museu da polícia militar do Rio de Janeiro, que fica na Rua Marquês de Pombal, 128, Centro do Rio de Janeiro.  



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui