Conselho de Ética da Câmara analisa defesa apresentada de Gabriel Monteiro

Os integrantes do colegiado voltarão a se reunir na próxima terça-feira (17/5), para definir as testemunhas

Vereadores Alexandre Isquierdo e Chico Alencar - Foto: Eduardo Barreto/CMRJ

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara do Rio se reuniu na tarde desta quinta-feira, 12/5, para analisar a defesa prévia protocolada pelo vereador Gabriel Monteiro (PL) no processo a que responde. Os integrantes do colegiado voltarão a se reunir na próxima terça-feira (17/5), para definir as testemunhas que serão ouvidas durante a fase de instrução processual.

Presidente do colegiado, o vereador Alexandre Isquierdo (União) comentou quais são os próximos passos da instrução do processo ético-disciplinar. “Nós nos debruçamos especificamente sobre a defesa que foi apresentada do vereador Gabriel Monteiro, deliberamos que na próxima terça-feira teremos o parecer da Procuradoria sobre os vícios jurídicos apontados pela defesa e também vamos deliberar sobre as próximas oitivas e testemunhas para esse caso”, adiantou. Além disso, o Conselho de Ética da Câmara do Rio terá acesso ao material das investigações abertas contra o vereador Gabriel Monteiro.

Relator do processo, o vereador Chico Alencar (PSOL) comentou os argumentos apresentados pelos advogados de Gabriel Monteiro, que questionam o rito conduzido pelo Conselho de Ética. “Na parte substantiva dos fatos arrolados eles não comentam nada, não defendem nada, dizendo que não vão fazer isso porque esperam que a gente anule todo o nosso trabalho até agora. Isso já dá para dizer que consideramos que não é cabível, por isso o processo vai continuar“, afirmou.

Participaram da reunião ainda as vereadoras Teresa Bergher (Cidadania) e Rosa Fernandes (PSC), e os vereadores Zico (Rep), Wellington Dias (PDT) e Luiz Ramos Filho (PMN).

Confira abaixo os próximos passos do processo:

  • Apresentada a defesa, teve início a fase de instrução do processo, pelo prazo de até 30 dias úteis, prorrogáveis por mais 15 dias;
  • Finalizada a instrução, o relator dá parecer em até cinco dias úteis, concluindo pela procedência da representação ou pelo seu arquivamento;
  • Caso o parecer seja pela procedência da denúncia, é aberto prazo de cinco dias para apresentação de alegações finais pela defesa do acusado;
  • O parecer do relator é submetido à deliberação do Conselho de Ética em até cinco dias úteis, considerando-se aprovado se obtiver a maioria absoluta dos votos dos seus integrantes;
  • Concluída a tramitação no Conselho, com parecer favorável à denúncia, o processo é encaminhado à Mesa Diretora e incluído na Ordem do Dia;
  • A punição é deliberada em votação aberta no Plenário, com direito a fala dos parlamentares e da defesa durante a sessão, decidida por dois terços dos vereadores (34 votos) em caso de cassação ou maioria absoluta em caso de suspensão.
Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui