Dr. Jairinho - Foto: Reprodução

Será votada nesta segunda-feira (28/06), pelo Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, a possível cassação do mandato do vereador Jairo Souza Santos Júnior, mais conhecido como Dr. Jairinho (sem partido), preso desde 08/04 por supostamente ter matado seu enteado, Henry Borel, de 4 anos, na madrugada de 08/03, em crime que também contou com a participação da mãe do menino, Monique Medeiros.

Para que a cassação ocorra, vale ressaltar, é necessário que haja maioria absoluta de votos no Conselho, isto é, 4 de 7. O relator do caso é o vereador Luiz Ramos Filho (PMN).

”Não restam dúvidas de que Henry Borel Medeiros foi vítima de homicídio duplamente qualificado, por emprego de tortura e meio que impossibilitou a defesa da vítima, quando estava na companhia apenas de Monique e Jairo. Também não restam dúvidas que Jairinho agredia Henry. A própria extensão das lesões, em sua gravidade e quantidade, demonstra ação brutal contra a criança, culminando com a morte dela, antes da chegada ao hospital”, diz trecho do inquérito policial sobre o caso.

Na última sexta-feira (25/06), os advogados de Jairinho encaminharam ao Conselho um relatório solicitando a sua absolvição no processo que pode o levar a ser cassado. Em 38 páginas, a defesa do vereador argumenta que ele ”sempre foi um pai carinhoso, presente, amado pelos filhos, quiçá por Henry, além de ser uma pessoa que conquistou diversos amigos e admiradores na Câmara”.

O documento destaca também que Jairinho não teve espaço para o contraditório e diz que o parlamentar é ”vítima de uma farsa”. Nos bastidores da Câmara, no entanto, a possibilidade de Jairinho não sofrer a cassação é considerada praticamente nula.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui