Demolição da Prefeitura do Rio no Complexo da Maré em 06 de agosto de 2021 - Foto: Heliomar Antunes/Seconserva

Na última sexta-feira (06/08), uma ação da Prefeitura do Rio de Janeiro, realizada conjuntamente pela Secretaria Municipal de Conservação (Seconserva) e a Subprefeitura da Zona Norte, demoliu 32 construções irregulares e não habitadas no interior do Complexo da Maré, às margens da Linha Vermelha, nos fundos do Campus Educacional da comunidade.

Ao todo, a equipe da Coordenadoria Técnica de Operações Especiais (Coope) derrubou 2 imóveis residenciais em fase de acabamento, 14 edificações com características comerciais em fase de alvenaria e outras 16 em fase de estrutura e fundação. Vale ressaltar que, no local, já havia mais de 60 demarcações de lotes que estavam sendo comercializados de forma ilegal.

Todas as construções estavam sobre o canal de drenagem da via expressa e da rede pluvial da comunidade. Durante a ação, a Light desligou 6 pontos clandestinos de energia elétrica.

”Temos um corpo técnico altamente qualificado que atua com rigor para garantir a ordem urbana. Estamos nas ruas fiscalizando, notificando e, por fim, demolindo o que não apenas vai contra a lei, mas oferece risco à população”, disse a secretária de Conservação do Rio, Anna Laura Secco.

”Mais uma vez, nos deparamos com casas de alto padrão sendo construídas irregularmente. Agora, elas estavam na Maré, no leito de um rio, rente às escolas e beirando a Linha Vermelha. Além de representarem risco para os futuros ocupantes, essas construções revelam um novo padrão de uma organização que vem se instituindo no Rio de Janeiro”, acrescentou.

A operação teve o suporte da concessionária Lamsa, que removeu os painéis de isolamento da Linha Vermelha para o acesso das máquinas, e contou com o apoio da Coordenadoria Geral de Operações Especiais (CGOE), da CET-Rio, da Comlurb e da Secretaria Municipal de Assistência Social. O trabalho envolveu 60 funcionários da Prefeitura, que usaram 10 viaturas, uma escavadeira hidráulica, uma retroescavadeira, uma pá carregadeira e 7 caminhões. Foram removidas 120 toneladas de entulho.

3 COMENTÁRIOS

  1. Sempre me pergunto: de que ninho vc caiu? Esse povo não nasceu com 30 anos! Imaginem se eu me achar no direito de invadir terra alheia e fazer meu barraquinho, em vez de passar 30 ou 40 anos trabalhando pra tentar comprar uma casinha pra eu e minha familia morarmos distante uns 40km do meu trabalho!!! Sei das dificuldades, mas os jovens da comunidade ja crescem pensando que algum governo DEVE lhe dar o que precisam! Ou seja, quem trabalha deve pagar impostos pra bancar seus sonhos! Só que eu, meu irmão, tb vim de baixo, catei meu ferro velho e não admito esse vitimismo!

  2. Uma outra coisa, só uma habitação improvisada sob estrutura da Linha Amarela (pista em direção à Barra).
    Estão só esperando pegar fogo, e afetar a estrutura metálica, só a paralização para a perícia, trará prejuízo. Tira o morador de lá, e dá uma moradia digna, até êle se desfazer dela.

  3. Dê uma olhada, como a Favela Asa Branca, construiu no meio da rua, impedindo o direito de ir e vir, ñ é nem moradia, é comércio, aí é sacanagem, sei dos problemas habitacionais, e blá blá blá….mas comércio e imóvel para locação, volto a falar, é fazer quem segue as leis, de otário. Rua São Fco de Paula, Jacarepaguá.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui