Imagem aérea do condomínio sendo construído de maneira irregular - Foto: Reprodução/TV Globo

Qual carioca não deseja morar na Zona Sul do Rio de Janeiro, um dos locais mais procurados e visitados no mundo? E imagine conseguir isso pagando ”apenas” cerca de R$ 170 mil?! Pois é, um condomínio está sendo construído em Copacabana nestas condições financeiras.

Porém, há um grande problema: a construção é totalmente irregular, não possuindo licença ou documentação, e, além disso, está sendo feita em área de proteção ambiental, controlada pelo tráfico de drogas. As informações são do portal ”G1”.

A obra encontra-se em estágio avançado, já tendo, inclusive, destruído parte da Mata Atlântica existente no local. Segundo a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, a Prefeitura só os notificou sobre a construção na última segunda-feira (03/02).

O ”Alto Copa” (nome do condomínio) está sendo construído na Ladeira dos Tabajaras, local onde sabidamente o tráfico de drogas se faz presente. De acordo com informações do programa ”RJ1”, da ”Rede Globo”, para a construção ser autorizada a acontecer, os criminosos da região exigiram dinheiro.

Com uma bonita vista para Copacabana, Flamengo e Urca, cada unidade do condomínio tem 67m².

Fachada em 3D do condomínio – Foto: Reprodução/Internet

Com entrega prevista, a princípio, para abril de 2020, o condomínio teria:

  • Piscina;
  • Sauna;
  • Área infantil;
  • Academia.
Área de lazer do condomínio, incluindo uma piscina – Foto: Reprodução/Internet

A construção – irregular – do condomínio acaba invadindo a Área de Proteção Ambiental (APA) São João. Com imagens aéreas, nota-se o avanço da obra pela mata.

Planta dos apartamentos – Foto: Reprodução/Internet

Especialista diz que há falta de fiscalizaçãoe de placas de identificação da obra

De acordo com o arquiteto Pedro da Luz Moreira, especialista da Universidade Federal Fluminense (UFF), o prédio tem mais uma irregularidade além da falta de autorização: está acima do gabarito.

”O condomínio vai ter um impacto muito grande na paisagem geral da cidade e, certamente, não é um empreendimento aprovado. Isso denota toda essa falta de fiscalização e falta de acompanhamento e de poder público nessas comunidades”, afirma Pedro.

Ainda segundo o professor da UFF, não havia nenhuma placa de identificação dos responsáveis pela construção da obra no local. Ele diz que compradores devem ficar atentos em relação a isso.

”A presença dessas placas é muito importante, e é muito importante que a população cheque isso. Porque ela pode, muitas vezes, pagar um preço mais barato nessas unidades, mas ela talvez vá depois pagar um preço muito mais caro exatamente por causa desses sinistros que podem vir acontecer”, finaliza Pedro.

”Procurar o ‘Senhor Campos”’

O condomínio era anunciado em redes sociais, onde informava-se ao cliente para ligar para o ”Senhor Campos”. E ele se pronunciou.

”Tenho uma escritura que é do terreno inteiro. É uma escritura só, do terreno inteiro. Então, eu tenho que construir, tirar o habite-se e desmembrar. Só assim eu vou conseguir individualizar cada escritura definitiva. É como qualquer construtora grande”, disse Campos.

6 COMENTÁRIOS

  1. Esses Prefeitos que comem “bola” deveria ser enforcados em praça pública pelo povo!!! Esse crívela é crua do demônio!!! Incompetente até a medula!!! Povo vocês tem que reagir amanhã acontece uma tragédia e ninguém é culpado!!!

  2. A pior e mais omissa Prefeitura que o Rio de Janeiro já teve, Crivella nunca mais!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  3. Diariamente sobem varias betoneiras e outros caminhões lotados de material de construção. Esses caminhões ficam parados a frente do Shopping dos Antiquários aguardando a liberação para subida. Já pelo menos 10 prédios construídos em menos de um ano.

  4. De onde eu moro no 12° andar no quarteirão detrás da Av. Atlântica, eu vejo a construção desse condomínio subindo a todo vapor. A construção é quase emparedada a Pedra de São João e o gigantismo da altura do gabarito extrapola a todos prédios de Copacabana. É visível que há proteção do último resquício da Mata Atlântica que contorna as pedras. A região de Copacabana não suporta mais a densidade populacional e a construção de mais um empreendimento imobiliário, principalmente, dentro da sua ilegalidade e da falta de fiscalização. Um absurdo!!

  5. Esta é a verdadeira construção “Tabajara”…
    E é sem fiscalização ou através de fiscais venais e coniventes que o Rio vai sendo desfigurado e acaba como pardieiro.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui