O hospital de campanha que está sendo construído pela Prefeitura no Riocentro, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade, para receber pacientes infectados pela Covid-19, custará, mensalmente, R$ 24 milhões aos cofres públicos. A informação é do secretário municipal de Saúde em exercício, Jorge Darze, que ocupa a pasta momentaneamente no lugar de Beatriz Busch, infectada pelo Coronavírus.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Segundo Darze, que anteriormente ocupava o cargo de subsecretário geral de Saúde no município, o hospital deverá ficar pronto no próximo dia 10/04.

O atual secretário aproveitou para elogiar as dimensões da nova unidade hospitalar da cidade e sua “capacidade de readaptação”.

“É um hospital que teve uma agilidade grande pra ser construído. São 500 leitos, sendo 400 para clínica médica e 100 para unidades de terapia intensiva”, disse Darze.

O secretário revelou, no entanto, que existe a chance, dependendo da necessidade, de haver mudanças em relação à destinação dos leitos, podendo ter sua quantidade de camas ampliada ou diminuída, seja para UTIs ou clínicas médicas.

Inicialmente, a ideia da Prefeitura e da Secretaria de Saúde do Rio era utilizar o hospital de campanha para receber pacientes que não estivessem infectados pelo Coronavírus, deixando, assim, as demais unidades hospitalares municipais somente para tratar casos da Covid-19.

Porém, a estratégia foi alterada, e o hospital de campanha receberá apenas pacientes que estejam com Coronavírus.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui