Prefeito do Rio, Eduardo Paes, e secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz - Foto: Divulgação

Nesta terça-feira, 10/08, a Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro decidiu rever os critérios para início da abertura gradual, que prevê três fases de flexibilização. A primeira etapa do relaxamento das medidas que ainda estão em prática teria início com 44% da população imunizada, mas município subiu a meta para 50%.

“Na reunião do comitê, fizemos alguns ajustes. Iríamos começar a primeira fase da reabertura com 44% da população totalmente imunizada. Agora, a gente começa com 50%. Reforçamos as premissas que, para começar a abertura, são necessárias reduções francas nos números de casos, de óbitos, nas taxas de internações e, principalmente, alta cobertura vacinal de idosos e pessoas com comorbidades”, afirma o secretário de saúde Daniel Soranz.

O cronograma divulgado pelo prefeito Eduardo Paes (PSD), que previa o início da reabertura no dia 2 de setembro, com apresentações artísticas em diferentes pontos da cidade, pode ser adiado. Especialistas avaliam que se a vacinação não for acelerada, a data deverá ser revista.

“A gente já chegou a ter 1,4 mil pessoas internadas com Covid-19 na cidade. Hoje, a gente tem 690. Mas a gente tem um número de casos de Covid aumentando. O número de casos leves de Covid vem aumentando em uma velocidade bastante expressiva nessa semana por conta da variante Delta e também por conta do período sazonal de inverno, que a gente já espera um aumento do número de casos. Isso liga o alerta também”, frisou Soranz.

Um problema que vem acontecendo em todo o país e no Rio de Janeiro não é diferente é o ritmo lento da vacinação. No final de semana, o prefeito Eduardo Paes fez um apelo ao ministro da saúde Marcelo Queiroga para que não faltassem vacinas. Nesta terça, novamente, a vacinação foi suspensa no Rio.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui