Crítica Literária: O abismo entre a expectativa e a realidade da vida

Tenho gostado bastante dos livros publicados pela editora Todavia. Com A Uruguaia, premiadoromance do escritor argentino Pedro Mairal, não foi diferente. O livro, lançado no Brasil em 2018 com tradução de Heloisa Jahn, envolve e faz pensar sobre a distância entre o que desejamos da vida e o que se apresenta para nós.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

          O romance narra um dia na vida do escritor argentino Lucas Pereyra. Com o casamento em crise e o trabalho também indo mal, certo dia Lucas acorda cedo e se despede da mulher e do filho para ir ao Uruguai sacar o pagamento referente a dois livros – se recebesse na Argentina, os dólares perderiam muito de seu valor. Este pagamento é, para Lucas, o que irá resolver sua situação.

          “Lá estava eu, viajando para contrabandear meu próprio dinheiro. Meu adiantamento sobre os direitos autorais. A grana que ia resolver tudo. Até minha depressão, meu isolamento e o grande ‘não’ da dureza. Não posso porque não tenho dinheiro, não saio, não mando carta, não imprimo o formulário, não vou me informar na agência, não solto os cachorros, não pinto as cadeiras, não conserto a infiltração, não mando o currículo – por quê? Porque não tenho dinheiro.”

          Acontece que Lucas sai de casa com o intuito não só de receber seu dinheiro, mas também de reencontrar Magalí Guerra, a uruguaia que dá título ao livro. Lucas e Guerra haviam se conhecido algum tempo antes, num festival literário. O escritor se sentiu atraído por Guerra e nunca a esqueceu. Insatisfeito com a vida, ele faz de sua ida ao Uruguai uma jornada em busca de um dia de liberdade e aventura; uma breve fuga da vida de homem casado, pai e sem dinheiro.

          “No alto do vidro da janela estava escrito ‘Saída de emergência’, apenas estas palavras contra o fundo do céu. Parecia uma metáfora de alguma coisa. A possibilidade de fugir para o nada celestial.”

          Na história, narrada em primeira pessoa, Lucas se dirige à sua esposa, Catalina, numa detalhada confissão de tudo o que ocorreu naquele dia em que foi ao Uruguai. Um dia que tinha tudo para ser bom, não fossem os contratempos que precisaria encarar pelo caminho.

          A Uruguaia é um daqueles livros para se ler “numa sentada”, como dizem. O estilo de narrativa, como se fosse uma longa carta, torna a leitura prazerosa e fluida, enquanto a história nos faz olhar para nossas próprias insatisfações diante da vida. O autor alterna presente e passado, refletindo sobre tudo o que tem acontecido em sua vida conjugal e profissional, num enredo que combina romance e relato de viagem, com um leve toque de trama policial.

          “Aquilo era Montevidéu para mim. Estava apaixonado por uma mulher e apaixonado pela cidade onde ela morava.”

          É um romance que fala do desejo de liberdade, da busca pela felicidade e sobre o enorme abismo que pode haver entre o que queremos da vida e o que a vida quer de nós.

          A Uruguaia será adaptado para o cinema com roteiro de Pedro Mairal e do escritor Hernán Casciari.

__
Livro: A Uruguaia
Autor: Pedro Mairal
Editora: Todavia
Tradução: Heloisa Jahn
Páginas: 128

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui