Assim como outrora a infância era risonha e franca, a noite do Rio também o foi. Existem fatos, lugares, pessoas que, como a bolsa Chanel, são atemporais — não caem de moda e continuam a existir com força na memória, no coração e, sobretudo, nas conversas. Em 1976, no segundo andar de um shopping, em um bairro totalmente residencial, com curtíssima duração de quatro meses, aconteceu o fenômeno / a boate chamada, no termo então a nascer, “The Frenetic Dancing Days Discotheque”.

Com enorme coragem e competência, Nelson Motta, o principal idealizador, juntamente com Patrícia Andrade, roteiriza a gênese e os acontecimentos que fizeram dele mesmo, Nelsinho, e seus sócios Scarlet Moon (jornalista), Leonardo Netto (ator), Dom Pepe (DJ) e Djalma Limongi (produtor), os verdadeiros precursores de um novo estilo de vida.

Sob a criativa e competente direção de Deborah Colker, 16 atores e sete bailarinos realizam, com muito talento, tudo aquilo que um musical exige: personagens definidos, canto de primeira linha e números de dança com coreografias e atuações jamais vistas em palcos brasileiros. Para afirmar a história de uma discoteca, a opção foi desenhar números que brinquem com a forma de dançar na época, mas transformem o palco em um espetáculo de ballet digno dos grandes conjuntos, pelo impressionante entrosamento do grupo.

O cenário/direção de arte de Gringo Cardia e a iluminação de Maneco Quinderé aumentam, ao trazerem luz e mais luz, a criatividade dos figurinos de Fernando Cozendey e o visagismo de Max Weber. É uma mistura de ficção e realidade, evidenciada na personagem de D. Daisy (invenção) e a formação do grupo das Frenéticas que cria o diálogo e a interação entre plateia e palco. Além da impecável trilha sonora, de unânimes sucessos, o que se vê é muito mais que a história de uma discoteca ou um recorte de uma época.

Serviço:
www.espetaculosonline.com

Nota
Direção
Texto
Cenário, figurino, iluminação
Atuação
Jornalista, publicitária, professora universitária de Comunicação, Doutora em Literatura, Bacharel em Direito, gestora cultural e de marcas. Mãe do João e do Chico, avó da Rosa e do Nuno. Com os olhos e os ouvidos sempre ligados no mundo e um nariz arrebitado que não abaixa por nada.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui