Prefeitura vistoria obras da Av. Niemeyer Fotos Marco Antônio Rezende/Prefeitura do Rio

O bispo Marcelo Crivella (Republicanos) esteve nesta sexta-feira (31/01) vistoriando as obras de contenção de encostas na Avenida Niemeyer e garantiu que a avenida é totalmente segura. Mas vale lembrar que é o mesmo homem que passou com um trator na ciclovia Tim Maia e disse que ela não cairia mais.

Agora, com o fim dos trabalhos, ao custo de R$ 34 milhões, a Procuradoria Geral do Município (PGM) pediu na Justiça a reabertura da via, fechada desde 28 de maio de 2019. Segundo determinação judicial, termina hoje o prazo para que o Ministério Público se manifeste sobre a reabertura.

– Hoje, a Niemeyer, com todas essas obras, está segura para tempo seco e tempo de chuva – disse o prefeito, durante a vistoria. – Estamos aqui para dizer à população do Rio de Janeiro que 100% das obras foram executadas.

Novos protocolos

Crivella explicou que foram estipulados novos protocolos de fechamento que oferecem total segurança para reabertura da via. A  avenida será constantemente monitorada e fechada preventivamente, em caso de chuvas de 38 milímetros em uma hora, com ventos de até 70km/h. Para segurança e tranquilidade da população, o novo parâmetro está bem abaixo do volume suportado pela avenida, que, de acordo com os técnicos, é de 110 milímetros de chuva por hora e ventos de até 130 km/h. O prefeito esteve no local acompanhado do secretário municipal de Infraestrutura, Habitação e Conservação, Sebastião Bruno, e do presidente da Geo-Rio, Ernesto Mejido.

Toda a tecnologia da área de geotecnia foi empregada aqui. Foi tudo concluído. E apresentamos à Justiça as informações solicitadas – informou Sebastião Bruno.

Por enquanto vale a decisão da juíza Mirela Erbisti, da 3ª Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio, que determinou a manutenção da interdição da Avenida Niemeyer. Ela aguarda parecer do Ministério Público.

Que obras foram realizadas?

Prefeitura vistoria obras da Av. Niemeyer e Fotos Marco Antônio Rezende/Prefeitura do Rio

Foram realizadas intervenções em 56 pontos ao longo da via, até a comunidade do Vidigal. Entre outras obras, a Prefeitura promoveu a instalação de drenos profundos, o restabelecimento do sistema de drenagem, a eliminação de contribuição de esgoto e a instalação de muros de contraforte, de telas grampeadas, chumbadores e cortinas atirantadas. Estão afastados os riscos de escorregamento das camadas superficiais da encosta.

Também foram demolidas 34 casas ao longo da avenida, e 34 famílias recebem aluguel social atualmente. Outras 17 construções bifamiliares – casa e sobrado em que moram 30 famílias – serão demolidas. Já há negociações concluídas com 20 destas famílias. Outras seguem em andamento.

1 COMENTÁRIO

  1. Esse muros de contraforte me pareceu muito baixo. Será que levaram em conta o imenso volume de terras e detritos da encosta? Daqui a pouco, com novas e pesadas chuvas, o Tim Maia estará boiando no mar novamente!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui