Após as denúncias publicadas no jornal O Globo nesta segunda-feira, 02/12, que mostram que o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) abriu um procedimento para investigar uma denúncia de negociação de propina na Prefeitura do Rio, a gestão Crivella, através de suas redes, resolveu criticar o jornal.

As postagens dizem que a “Prefeitura do Rio vem sofrendo uma agressiva perseguição por parte de O Globo. O veículo, que se diz ‘jornal’, é, na verdade, um panfleto político”.

“É o caso do Bolsonaro quando fala da Folha da São Paulo ou o Crivella fala do O Globo, ainda mais sabendo os vínculos dele com a Record. Ao meu entender, pode ser que ele esteja, em tese, ferindo os princípios da impessoalidade do artigo 37 da Constituição Federal”, disse Vinicius Cordeiro, advogado especialista em direito eleitoral.

Não foi a primeira vez. Em julho deste ano, na parte de notícias do site da Prefeitura do Rio, a equipe de comunicação municipal fez uma matéria dizendo: “Crivella leva Cuidar da Cidade à Ilha do Governador: ‘O Rio sairá mais fortalecido da crise´”.

A manchete pode configurar um caso de afronta ao princípio da impessoalidade na gestão pública. A atuação da administração deve ser impessoal, ou seja, sem favorecer os agentes ou perseguir adversários. É o que diz o Art 37 da Constituição Federal. A matéria, talvez, poderia até ter a citação de Crivella no texto, contudo, não foi ele quem levou a ação para o bairro, e sim a Prefeitura.

Também aconteceu o mesmo no Diário Oficial de Outubro. Em outros momentos usou o site e as redes sociais da Prefeitura do Rio para atacar as Organizações Globo, ou seja, perseguir adversários. Isso já gerou uma Ação Popular, e um inquérito criminal, civil e de investigação judicial eleitoral (propaganda eleitoral antecipada) contra Crivella movido pelo deputado federal Pedro Paulo (DEM).

Recentemente, o DIÁRIO DO RIO publicou uma notícia sobre a prefeitura do Rio estar cometendo improbidade administrativa.

3 COMENTÁRIOS

  1. É importante que as pessoas esclarecidas saibam distinguir entre governos honestos e bem intencionados, capazes de se negar a cooptar com a máfia midiática e aqueles, cuja tendência criminosa está em desacordo com as diretrizes dos crimes da mídia mafiosa…

  2. A melhor hora para investir é quando há sangue nas ruas… (Barão de Rotschild)

    Até parece que a grande mídia é isenta, imparcial e consegue sobreviver sem as benesses e privilégios de governos venais…
    Todos sabem que a grande mídia É UM PODER PARALELO e só vende notícias favoráveis, quando os beneficiados pagam proteção…
    Exatamente como acontece com qualquer atividade mafiosa.
    Isto não quer dizer que não tenhamos governos também corruptos, que gastem altos valores de dinheiro do povo, para fazer propaganda enganosa, através desta grande mídia.
    Os bandidos, embora estejam sempre dispostos a se matar pelo poder, sempre fazem acordos criminosos para enganar o povo e conseguir o voto de cabresto.
    Também há governos honestos e decentes que não aceitam se associar a esta máfia midiática e, por isto, sofrem a represália de notícias perversas, tendenciosas e maldosas.
    Nesta guerra de interesses, repleta de homens que se servem dos seus cargos, em vez de servir ao país, acabamos por duvidar de todos, totalmente confundidos, inseguros, desassistidos e até dependentes dos seus interesses, criando exatamente a instabilidade social que qualquer criminoso de plantão deseja…
    E aí, Senhor Crivella, de que lado o senhor está?…

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui