Relatos históricos apontam que o chopp foi criado no Egito antigo – era uma forma de pagar trabalhadores e acreditava-se que a bebida tinha poderes de rejuvenescimento. No entanto, bem que poderia ter sido inventado no Rio de Janeiro.

Aliás, há quem diga que chopp é coisa nossa, de brasileiro, mais ainda, de carioca. E é mesmo. Carioca é capaz de resolver tudo em um, ou vários, chopps.

Está com um problema? Vamos tomar um chopp pra desenrolar isso. Pronto. Caô resolvido. Afoga todos os males.

Está feliz? Vamos tomar um chopp para celebrar isso. Aí é ainda mais fácil. Desce suave, gelado, numa tranquila, numa boa.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Não tem hora para o chopp. Cai bem do início ao fim do dia. Antes do almoço pra ficar pensando melhor, como dizia o pernambucano Chico Science, ou à noite, até para perder o juízo, se quiser.

De fato, o chopp rejuvenece. E faz sentido gastar parte do pegamento com ele. Pelo menos para esse que vos escreve. E cura doenças, também. Já resolvi gripes, dores de garganta, lesões físicas pós-futebol, corações partidos, entre outros problemas com doses cavalares do amarelado remédio.

Também não há local para tomar um chopp. Qualquer lugar é lugar. Mas o melhor lugar é aqui no Rio de Janeiro – onde a bebida foi reinventada.

Um brinde ao chopp.

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui