Jacob Barata Filho, Foto: Reprodução / GloboNews

De acordo com o site Agenda do Poder, a cúpula da Fetranspor e um integrante do Tribunal de Justiça do Rio foram denunciados pelo Ministério Público Federal por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Entre os denunciados estão o desembargador Mário Guimarães Neto, o empresário Jacob Barata Filho, o ex-presidente da Fetranspor José Carlos Reis Lavouras, o presidente do Conselho Superior do Sindicato Rio Ônibus, João Augusto Morais Monteiro, e o doleiro Carlos Eduardo Caminha Garibe. Também foram denunciados a mulher do desembargador, a advogada Gláucia Iorio de Araújo Guimarães e empresários Miguel Iskin.

Segundo a denúncia, os empresários pagaram R$ 6 milhões ao desembargador para que ele decidisse a favor de suas empresas. A esposa do magistrado, segundo o MPF, foi a intermediária do negócio.

Nos últimos dias, as empresas de ônibus e BRTs da cidade do Rio de Janeiro vêm ameaçando parar, alegando que estão sem dinheiro por conta do menor fluxo de passageiros na pandemia causada pelo Coronavírus.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui