Nunca durante toda a pandemia, as Igrejas Católicas pelo menos, foram focos de transmissão do novo Coronavírus. Igrejas Evangélicas tradicionais também tomam desde o ano passado medidas sanitárias necessárias. A exceção permanece é claro em determinadas denominações neo pentecostais que pregam a teologia da prosperidade e vivem a explorar a inocência de parte do povo Brasileiro que com seus dízimos e ofertas sustentam os luxos dos ditos pastores em troca de possíveis favores de Deus em suas vidas. 

Ora! Sabemos exatamente quais são tais denominações, que sequer considero uma Igreja, prefiro tratá-las como seitas. Sabemos que Deus não faz troca com o ser humano. Ele é tão misericordioso que sua graça nos é dada de forma gratuita.

Feita esta pequena consideração passemos para o assunto em si. Não me parece correto que os justos paguem pelos pecadores. Os Governos Estaduais criarem restrições que impeçam a pessoa de ir a Igreja me parece absurdo. Claro que é preciso cuidados como dito e claro que as Igrejas “de verdade” tomam tais cuidados. 

Obviamente a ciência manda que não existam aglomerações e é uma medida correta e necessária mas ao invés de numa “canetada” Governantes mandarem fechar todos os templos é uma medida ridícula e descabida. Há que se agir com rigor contra as denominações religiosas que não guardam os cuidados necessários para evitar contaminações com o novo Coronavírus.

Acontece que, a exemplo de muitos ditos Pastores que usam o povo tão carente de tudo para seus benefícios e prestígio com os políticos, existem muitos ditos políticos que não querem “problemas” com essas lideranças para que este  povo desavisado não seja incitado pelos ditos “pastores” a não apoiarem político A ou partido B. 

É uma vergonha tirar das pessoas o direito de irem ao templo religioso. Por mais que a internet facilite as celebrações e cultos não é a mesma coisa. Existem pessoas que tem a necessidade de estar numa Igreja para entrar em verdadeira sintonia com o Senhor.

O que entendo ser justo é punir com o fechamento locais de culto que não respeitem as normas sanitárias. Enquanto o Brasil for dirigido por políticos que no exercício de um mandato estão de olho na conquista do outro seremos um País com as duradouras mazelas que temos.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Dauro Machado
Jornalista, especialista em assessoramento e cerimonial público, Bacharel em Direito, publicitário e Radialista. Também tem formação em Assessoria de Imprensa e relações institucionais, além de editor de jornais, livros, revistas e outras publicações

5 COMENTÁRIOS

  1. Sou Católico..e todo bom católico que se preze..respeita a vida!a de sua família.. amigos e de seus irmãos em sociedade..pena que alguns estão sendo influenciados por pessoas de pensamentos egoístas e financeiros que só querem para si..É aí onde o mal essa essência que nos rodeia como um leão que ruge se aproveita para enganar até as pessoas do bem.
    Quando o italiano Fabio Chigi (1599-1667) se tornou o papa Alexandre 7º..nunca imaginou que enfrentaria
    O Papa decretou medidas sanitárias que, para pesquisadores, contribuíram para que a letalidade da doença fosse muito menor na população romana do que em outros lugares afetados pela mesma doença.A Peste matou 55% da população da Sardenha, metade da população de Nápoles e 60% dos que habitavam Gênova.mostra como medidas que geram controvérsia no Brasil da pandemia de covid-19, como proibição de circulação de pessoas, fechamento de fronteiras e de templos, rastreamento de casos, auxílio emergencial, debates sobre jejuns religiosos e outras, foram aplicadas há mais de 400 anos — e tiveram bons resultados.
    Lutero..em carta do século 16, o monge que deu início à reforma protestante defendia o isolamento social, enquanto os pastores atuais(adoradores de Ouro e Prata), lutam para manter as igrejas abertas.
    Os líderes religiosos estão entre os que mais pressionam os governos pelo fim do isolamento social. No último decreto de relaxamento da quarentena em Goiás, pastores reivindicaram (para usar um termo eufemístico) o governador Ronaldo Caiado a liberar a realização de cultos e missas – essa não era a intenção do democrata.
    Entre as alegações, a necessidade de dar conforto espiritual para os fiéis nesse momento de dor, choro, medo e ansiedade. Porém, segundo relatos de quem presenciou conversas dos líderes religiosos com o governador, muitos alegaram a necessidade de arrecadar para pagar as contas das igrejas – uma preocupação legítima, mas incoerente quando salvar vidas deveria ser prioridade.

  2. Onde está escrito que Deus só está em templos suntuosos? “Onde houver duas ou mais pessoas falando rm meu nome, ali será a minha igreja”! Ou seja, se eu reunir a minha família para ler a Bíblia, ali será a minha igreja e deus estará conosco!!! Essa seita ao qual a matéria se refere se tornou uma empresa dona de branco, lojas, empresa de segurança e até de partido político! O único interesse deles é manter os templos abertos a fim de arrecadar cada vez mais!!! E não recolhem um único imposto aos cofres públicos! Por fakar nisso, o líder máximo deles já se vacinou em Miami.

  3. Palhaçada, todos estão se esforçando para acabar com esses vírus, as religiões deveriam fazer o mesmo. Ao invés de promover a aglomeração, tem que dar o exemplo e suspender os encontros presenciais.

    Fico imaginando se Deus ou Jesus estariam do lado das igrejas, somente pensando em funcionar e conseguir mais uns trocados, ou do lado do povo que está sofrendo e morrendo.

  4. Bobagem, para o verdadeiro religioso, o seu corpo, a sua casa, por mais humilde q seja, é o seu templo. A floresta, o mar, a montanha e toda natureza ao redor, é um templo, q ñ cobra dízimo. O vírus, ñ escolhe onde se disseminar, igreja ou balada.
    Respeitem a ciência.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui