Hoje aconteceu o 1º debate do 2º turno entre os candidatos ao governo do Rio, Eduardo Paes (DEM) e Wilson Witzel (PSC), (aqui tem a agenda com os próximos debates no Rio).Organizado pela FIRJAN e em parceria com a Rádio BandNews, foi marcado, como esperado, pelas alfinetada entre os 2 candidatos. Mas com regras mais flexíveis, deu para os candidatos mostrarem suas propostas.

O que me gerou espanto foi que Witzel, tão enérgico nas suas lives nas redes sociais e no debate da Globo, na FIRJAN estava com uma postura quase apática, falando baixo e sem convicção. A tão esperada ordem de prisão ao vivo, caso Paes disse injúrias, acabou não acontecendo. Outro ponto fraco do ex-juiz foi a insistência em repetir exatamente isso, que foi juiz, defensor… além de ter dito coisas como rer dado uma palestra sobre PPPs (Parcerias Público Privadas) e isso o transformasse em um especialista no tema.

Outro fator que deu para se tirar deste primeiro debate, é que Witzel se aproxima do populismo. Frases como vai cancelar o plano de saúde da família, para usar os hospitais públicos, tirar os filhos das escolas particulares e colocar em escolas de estado, podem mostrar que ao contrário de ser um frescor de novidade no Palácio Guanabara, o candidato repete lugares comuns de outros populistas como Garotinho e Carlos Chagas.



Já Paes, obviamente, dominou o debate, não lhe falta experiência. Mas o ar debochado e cínico pode afastar alguns eleitores, especialmente os que poderiam sair dos votos necessários de Witzel e, novamente, não mostrou se distanciar dos presidiários Cabral, Cunha, Picciani e Paulo Melo. Mas também não foi colocado na parede sobre estes temas pelo seu adversário.

Talvez o melhor momento do ex-prefeito foi dizer que Witzel estava dizendo injúrias mas que não daria ordem de prisão, pois não era autoritário. E em outro, que o ex-juiz diz que não usaria a residência oficial do governador se eleito, mas quando juiz recebia auxílio moradia.

Já o candidato do PSC perdeu alguns minutos tentando se defender das acusações que apareceram esta semana nos jornais. Saiu-se relativamente bem para um candidato neófito.

Nas propostas, os 2 parecem discordar em vários temas, mas em um concordam, o fim da vistoria do Detran, uma proposta de destaque do candidato derrotado Pedro Fernandes (PDT).

E o vencedor? Eduardo Paes foi ligeiramente melhor, incluindo com menções mais positivas no Twitter, mas o que me parece que aconteceu com Witzel foi apenas inexperiência em debate entre apenas 2 candidatos. Só que não me pareceu o suficiente para poder mudar o voto de alguém.

Assista ao debate e tire suas conclusões:

2 COMENTÁRIOS

  1. Desnecessário o Sr Wilson dizer que sues filhos vão para escola do estado é que irá cancelar o plano de saude.
    Poderia dizer que as escolas seriam melhoradas e padronizadas com horario integral mantendo o adolescente em atividade educacional e esportiva durante todo o dia e que os hospitais irão funcionar impecavelmente sem faltar equipamentos de exames médicos e leitos

  2. Parabéns ao meu candidato e candidato das pessoas de bem do Río de Janeiro, com sua conduta ilibada manteve seriedade e comprometimento, tanto nos pontos críticos do estado como no tocante a honestidade, já seu opositor é réu da lava jato.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui