Foto: Carlos Magno

A defesa do governador afastado do Rio, Wilson Witzel (PSC), pediu a suspensão da ação em que ele é acusado de corrupção. O motivo é que, segundo os advogados, o trecho em vídeo da delação premiada de Edmar Santos, ex-secretário de Saúde, que incrimina Witzel desapareceu. A ação corre no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O trecho de duração de 24 minutos que teria sumido é justamente aquele em que o ex-secretário teria descrito o que chamam de suposto caixa único da propina. A defesa alega que o processo só pode continuar quando o trecho reaparecer. O pedido de suspensão do processo foi feito na última quinta-feira (21/01).

A defesa do governador afastado afirma que o trecho é “absolutamente central” e que não há outras provas da ligação de Witzel com a organização criminosa.

Trata-se de trecho importante do depoimento no que se refere à imputação contra o governador, porquanto traz relato que convenientemente o incrimina, mas que, não se sabe por que, foi apresentado somente por escrito, com inexplicável supressão do vídeo a ele correspondente”, escreveram os advogados.

A Procuradoria Geral da República informou ao portal de notícias G1 que o processo foi encaminhado à PGR, mas que ainda não chegou e que o caso vai ser analisado e a manifestação apresentada nos autos.

No Twitter, o governador afastado publicou que a verdade precisa ser reestabelecida. “Fui afastado do meu mandato, após ser eleito com mais de 4,6 milhões de votos, com base em uma delação ilícita”, completou Witzel.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui