Degase festeja a contratação de 25 socioeducandos no programa Jovem Aprendiz

O contrato de aprendizagem dos jovens terá duração de 15 meses e as suas carteiras de trabalho serão assinadas com remuneração proporcional à carga horária mensal

Foto: Reprodução

O Departamento Geral de Ações Socioeducativas do Estado (Degase), órgão ligado à Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, começou 2022 com motivos para comemorar. Afinal, 25 jovens que cumprem medida socioeducativa de semiliberdade nos Centros de Recursos Integrados de Atendimento ao Adolescente (Criaads) da Ilha do Governador, Bonsucesso, Bangu e Santa Cruz foram admitidos no Programa Jovem Aprendiz, nesta quarta-feira (5).

Os cursos e a prática profissional são possíveis graças a convênios firmados entre empresas, Sistema de Garantias de direitos e o Degase. O contrato de aprendizagem terá duração de 15 meses e as carteiras de trabalho dos jovens serão assinadas com remuneração proporcional à carga horária trabalhada. Eles também terão acesso a outras garantias trabalhistas.

Os socioeducandos foram selecionados a partir de um processo de pré-aprendizagem iniciado em 2021. Durante esse período, eles foram apresentados, pela Divisão de Profissionalização (Dipro) do Degase, a conteúdos e atividades sobre a importância da sua inserção no mercado de trabalho, como Jovem Aprendiz.

Para Alexandre Valle, secretário de estado de Educação, a ampliação das vagas do programa Jovem Aprendiz, estendidas também para os jovens que cumprem medida de semiliberdade, foi uma conquista para que ingressassem no mercado de trabalho formal com carteira assinada.

“É uma oportunidade única de inclusão socioeconômica e de desenvolvimento de competências para o mundo do trabalho. O programa faz com que os jovens continuem sua escolarização, se profissionalizem e percebam um horizonte bem definido após o cumprimento de medida. Entrar no mercado de trabalho formal tendo o suporte dos profissionais do departamento e dos parceiros do Jovem Aprendiz é um caminho seguro para definir um novo projeto de vida”, destacou o secretário.

O diretor-geral do Degase, Victor Poubel, por sua vez, ressaltou a importância do programa Jovem Aprendiz não somente para a formação de uma mão de obra mais qualificada, mas também para a reinserção dos socioeducandos na sociedade e no convívio familiar.

“O programa Jovem Aprendiz reúne as melhores experiências que podemos esperar da socioeducação: aprendizagem multidisciplinar, preparação, muitas vezes, para o primeiro emprego formal, reinserção social e geração de renda. Essa oportunidade gera, efetivamente, um novo começo para o socioeducando e sua família”, afirmou Poubel.

Os novos jovens aprendizes começarão as aulas teóricas ainda nesta semana, na Rede Nacional de Aprendizagem Promoção Social e Integração (Renapsi), no Centro do Rio, iniciando na segunda quinzena de fevereiro a parte prática no Senai.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui