Degustação de charutos – O Hobby como arte

O Cigar Sommelier Bruno Pontes ensina como se degustar perfeitamente um charuto, aproveitando todos os sentidos de nosso corpo

Quando falamos sobre a arte de degustar um charuto, vai muito além do que puxar e soltar a fumaça, o hedonismo e as sensações organolépticas são marca registrada desse produto artesanal que passa por mais de 200 pessoas antes de chegar na mão dos aficionados.

Degustar um bom charuto é como degustar um vinho, safras, sabores, aromas, blends, reservas e edições limitadas. Ao degustar um charuto nossos sentidos são explorados e potencializados trazendo novas sensações e percepções multissensoriais jamais exploradas pelos sentidos, e que, se feito de forma correta, pode lhe proporcionar momentos únicos e singulares em sua vida. Os 5 sentidos fundamentais mais percebidos em uma degustação são: Visão – Olfato – Tato – Paladar – Audição.

Hoje trabalhando como Cigar Sommelier, desbravo todos os sentidos em uma degustação guiada. O olhar na capa do charuto, seu formato, seu gosto, seus aromas herbáceos, empireumáticos, amadeirados e todos as apurações, percepções e emoções que uma degustação pode proporcionar. Sim, emoções! A emoção está presente em uma degustação, seja para contemplar o momento vivido, comemorar um marco em sua vida ou até mesmo relembrar memorias do passado. Esse momento pode ser sozinho, como uma autorreflexão, ou com os amigos em momentos descontraídos. O Charuto agrega a vida social, pessoal e traz conectividade entre seus degustadores.

O Charuto tem sido associado ao longo dos anos com status, estilo e prazer. Durante a pandemia houve um aumento significativo de novos aficionados e entusiastas no universo do charuto trazendo um movimento de profissionais da área com eventos espalhados por todo Brasil. Os eventos que realizei de degustação guiada no Rio de Janeiro foram magníficos, com muitos aficionados e diversos feedbacks positivos dos participantes.

Anatomia do charuto

Antes de iniciarmos um passo a passo em uma degustação, deixe-me lhe informar que não trague o fumo de um charuto para dentro dos pulmões, pois isto ocasionará tosse, irritações na garganta e tonturas. Os Charutos não foram feitos para serem tragados e sim para que os sabores e aromas primários, secundários e terciário das folhas sejam percebidos durante a evolução de seus três terços.

Tendo dito isso, vamos as percepções organolépticas (percepções percebidas pelos nossos sentidos).

Visão

Na visão iremos perceber principalmente a capa do charuto, se ela está seca ou oleosa, se tem veios ou não, e suas porosidades e cores que podem ser em mais de 40 tonalidades. Podemos verificar o fumo na parte do pé do charuto e a construção na parte da cabeça do charuto, tal como sua anilha, papel que identifica marcas e safras, cuja origem era proteger a luva dos aristocratas durante a degustação.

Audição

Na audição podemos ver se o charuto foi bem condicionado, ao apertar ele em seus ouvidos poderá perceber se o mesmo está ressecado ou pronto para o consumo. Quando ele está ressecado você poderá ouvir as folhas se quebrando pelo corpo do charuto. Em boas condições do charuto esse som fica menos agressivo ao ouvido.  Preste atenção na brasa, ela também tem um sussurro interessante.

Tato

No tato conseguimos identificar diversas características como a construção do charuto, se ele tem ou não buracos em sua construção, podemos verificar se a capa é lisa ou áspera, se os veios são muito altos ou se são veios com menor relevo. Também utilizamos o tato para saber se a brasa está apagando ou se está muito quente ao colocar o dedo próximo ao cone de combustão.

Olfato

Podemos explorar o olfato de diversas formas, as duas formas mais comuns são: aromas a frio e aromas pós acendimento. Os aromas a frio você encontrará principalmente as propriedades do tabaco e alguns outros aromas interessantes de se perceber ao cheirar a capa e seu miolo. Toda essa experiencia pré acendimento é incrivelmente prazerosa. Já depois de acendido, perceba a evolução do aroma em cada terço do seu charuto. Uma experiencia única.

Paladar

O paladar está localizado na cavidade oral, especificamente na língua e está intimamente ligado ao olfato. Os gostos são reconhecidos e percebidos através das papilas gustativas onde a grande maioria ficam localizadas na parte da língua.  Esse sentido também é capaz de se lembrar das escolhas anteriores (isso é conhecido como memória sensorial). Pelo palato você conseguira identificar junto com o olfato os sabores incríveis que um charuto pode o proporcionar.

Outros sentidos

Existem outros sentidos não listados nesse artigo, mas que, de alguma forma, também estão incluídos em uma degustação. Alguns deles são a termocepção e sinestesia.

Já foi comprovado que pessoas que sofrem com alguma deficiência relacionada ao sistema sensorial, acabam desenvolvendo e aguçando mais outros sentidos, por exemplo, um cego que desenvolve mais sua capacidade de ouvir ou até mesmo de tatear, como os livros em língua braile para os deficientes visuais.

Agora que você já sabe como degustar um charuto, existem algumas regrinhas de ouro para potencializar sua degustação e poder trazer tudo que as propriedades organolépticas podem o proporcionar, são elas:

 O Corte

O corte é algo muito importante na degustação de um charuto, se feito de forma incorreta, pode atrapalhar a degustação. Existem diversos cortes que podem ser feitos e isso varia de pessoa para pessoa, porém existe uma regra que tem que ser seguida para potencializar sua degustação.

O corte deve ser feito de 2 a 3 milímetros a partir da ponta da cabeça do charuto e é o suficiente para degustá-lo. O Corte muito profundo faz com que a capa do charuto desenrole e atrapalhe a degustação.

O Acendimento

O acendimento deve ser realizado de forma lenta, sem encostar a chama no charuto para não carbonizar e atrapalhar sua degustação. Ele deve ser aceso apenas com o calor da chama e deve ser acesso do meio para a borda na parte do pé do charuto, pois o tabaco que está no centro do charuto tem menor combustão e a capa e capote maior combustão. Isso não é uma regra a ser seguida, é apenas uma maneira de potencializar a sua degustação.

Umidade e temperatura

Manter seus charutos guardados com uma temperatura e umidade corretas irá potencializar sua degustação. O recomendado para guardar seu charuto é entre 16 e 18 graus, com o máximo sendo 22, e em ambientes com cerca de 65% a 75% de umidade relativa do ar. O charuto é como um ser vivo, e perde suas propriedades de óleos essenciais quando não está em condições adequada.

Espero que essa matéria o tenha ajudado a entender melhor a arte da degustação de um charuto. Até a próxima.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui