Delegada Adriana Belém exibia proximidade com investigados por jogos de azar nas redes sociais

Em mensagens encontradas nas redes sociais, Adriana ostenta a amizade com Marcelo Mesqueu, condenado pela justiça em 2016 por exploração de caça-níqueis em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense; o Ministério Público afirma que o comportamento dela viola o Estatuto do Policial Civil

Foto: Redes Sociais

A delegada Adriana Belém, presa por envolvimento com jogos ilegais e flagrada com quase R$ 2 milhões em sacolas de sapato de luxo, não escondia nas redes sociais sua proximidade com personagens investigados da contravenção. A exibição não passou despercebida pelos promotores da Operação Calígula, que anexaram fotos da policial ao lado de contraventores na denúncia, inclusive em datas festivas.

Para o Ministério Público, Adriana “ostenta incomum e injustificável proximidade com diversos protagonistas do crime organizado fluminense, inclusive em patente violação ao Estatuto do Policial Civil, em especial aqueles que lideram a exploração ilegal de jogos de azar mediante a imposição de domínio territorial, exercido com o emprego de estratégias violentas e ardis, como a instalação de volumosos esquemas corruptivos”, diz trecho do documento, antes de destacar uma lista de eventos e fotos da delegada com contraventores.

Um dos eventos destacado na denúncia é uma festa particular de Lilian Maia, irmã de João Carlos Martins Maia, o Joãozinho King, que segundo os promotores “é um notório contraventor fluminense”. Outro evento foi a Feijoada do King, a qual é organizada pelo próprio Joãozinho.

Vale ressaltar que durante os dias de folia na Sapucaí, a delegada assistiu aos desfiles no Camarote do King, também do mesmo empresário, sendo recepcionada na entrada por Joãozinho.

Alguns registros justificam o espanto dos investigadores: são declarações de afeto para Marcelo Mesqueu, o Marcelinho Cupim, em redes sociais abertas. Cupim é citado no relatório da Operação Black Ops, da Polícia Federal, de 2011, como responsável por arrendar parte da área pertencente a José Caruzzo Escafura, o Piruinha. Apesar de não ser indiciado ao final da investigação, Cupim foi condenado, em 2016, a quatro anos e meio de reclusão pela Justiça Federal. O crime foi a exploração de caça-níqueis em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense.

Em diálogos nas redes socais Adriana escrevia mensagens intimas aos envolvidos na investigação. Uma dessas mensagens a delegada parabeniza o bicheiro Cupim: “Feliz aniversário, amigo querido. Já somos amigos há tantos anos que já perdi as contas mas nunca o desejo de que você tenha muita saúde, muitas felicidades, muitas conquistas…Que Deus te abençoe e que essa data se repita por muitos e muitos anos…lov uuuu (sic)”.

Foto: Reprodução/Redes sociais

A delegada está em prisão preventiva. Ela é acusada de liberar máquinas caça-níqueis que pertenceriam a Rogério Andrade, após provável pagamento de propina. Além disso, foi indiciada por lavagem de capitais devido ao dinheiro encontrado em seu apartamento.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui