Foto: Pedro Kirilos

A Casa Cavé, mais antiga confeitaria do Rio, com 160 anos completados em 2020, retomou as atividades na quinta-feira (09/07), após mais de três fechados. O tradicional e requintado ponto comercial, localizado em um belo imóvel na esquina da Rua Sete de Setembro com Uruguaiana, no Centro da cidade, esteve ameaçado de fechar as portas em função da pandemia do Coronavírus.

O local, inaugurado em 5 de março de 1860, é famoso pelos doces portugueses. Entre eles, os clássicos: Pastéis de Belém (folhado com creme especial de ovos); Toucinho do Céu (de amêndoas) e o Dom Rodrigo (fios de ovos e canela). Diariamente são produzidos cerca de mil doces na casa.

Embora tenha tradição nos quitutes lusitanos, o empreendimento foi fundado pelo francês Charles Auguste Cavé, que ficou a frente do negócio até 1922. A arquitetura marcante, possui influência de diversos países, com lustres, vitrais e vidros em geral eram franceses; as cadeiras e as mesas foram projetadas por Cólon, um espanhol que residia no Brasil; e as luminárias eram brasileiras.

A Casa Cavé é um patrimônio carioca que guarda, em cada pedaço da sua estrutura, à essência do Rio antigo.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

1 COMENTÁRIO

  1. MEU DEUS! NÃO!
    A Cavé não pode fechar de jeito algum!
    A última vez que passei lá foi depois do carnaval.
    A gente até colabora numa vaquinha aqui e o Diário apoia a ideia…

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui