Foto: Brenno Carvalho

Depois de uma longa batalha travada pela preservação da Floresta do Camboatá, último trecho de Mata Atlântica plana do município do Rio, no bairro de Deodoro, na Zona Oeste carioca, que por pouco não virou um autódromo, parece que uma solução ecologicamente correta vai se desenhando para o destino do local, pelo menos por enquanto. Segundo reportagem da Piauí, cabe ao prefeito Eduardo Paesgarantir que o processo de licenciamento do local seja retirado do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), para que o projeto não seja reativado por outra administração municipal e, principalmente, transformar a área verde em Unidade de Conservação, com acesso ao público.

Em resposta à publicação, Eduardo Paes informou que a prefeitura solicitou ao Inea que enviasse os volumes do processo, para que pudesse “analisá-los e dar uma solução final”. O prefeito admitiu que foi sua a decisão de construir o autódromo sobre a floresta, em um projeto conjunto com o governo federal, para que o Rio recebesse as Olimpíadas, mas pontuou que o plano, à época, era menos invasivo do que o apresentado pelo consórcio Rio Motorpark.

Paes disse, por fim, que a prefeitura está disposta a apoiar a construção do autódromo em outro local, como uma área degradada no bairro de Guaratiba, também na Zona Oeste. “Mas a condição é de que ele seja erguido com recursos da iniciativa privada”, complementou.

O consórcio Rio Motorpark, que tentou construir o autódromo de 697 milhões, não se pronunciou.

Localizada no meio urbano do Capital Flumiense, em frente à Avenida Brasil, uma das vias expressas de maior movimento da cidade, a Floresta do Camboatá possui uma área verde de 2 milhões de metros quadrados onde vivem mais de 180 mil árvores e ao menos dezoito espécies ameaçadas de extinção.

De fato, Eduardo Paes já havia assumido o compromisso, na primeira semana de 2021, de não construir nenhum autódromo em Deodoro. Essa promessa ficou mais fácil de ser cumprida, depois que São Paulo, que sedia a prova de F1 há anos, confirmou a realização da competição, após a possibilidade da corrida vir para o Rio.

Ironicamente, Paes foi o responsável pela decisão que previa a construção do novo autódromo na floresta, assinada em 2010, quando exercia seu primeiro mandato à frente da prefeitura. No entanto, projeto só ganhou força quando Crivella, seu sucessor, lançou um edital para a construção da pista em 2017. Na época, o vencedor e único concorrente da licitação foi o empresário mineiro JR Pereira, que não tinha qualquer experiência com a realização de mega eventos esportivos, mas acumulava calotes e ações na Justiça. Uma de suas empresas, a Crown Processamento de Dados, faliu deixando uma dívida de 24,7 milhões de reais com a União.

Na última quinta-feira (14/01) , o secretário municipal de Meio Ambiente, Eduardo Cavaliere, (entrevistado pelo DIÁRIO DO RIO; veja abaixo) recebeu em seu gabinete quatro integrantes do Movimento SOS Floresta do Camboatá. “A conversa foi boa”, disse o engenheiro florestal Beto Mesquita. “A ideia é que aquela área vire o polo verde de Deodoro. A gente espera que o decreto saia em breve.

Diante da novela envolvendo grupos empresariais internacionais, líderes políticos de todas às esferas do governo, incluindo o presidente Bolsonaro, o governador afastado, Wilson Witzel e o ex-prefeito Marcelo Crivella, contra grupos organizados da sociedade civil e ambientalistas, que defendiam o bioma por meio dos Ministérios Públicos Federal e do estado e do Movimento SOS Floresta do Camboatá, a preservação da Floresta do Camboatá representa uma vitória e tanto para o meio ambiente, a geografia e a essência da Cidade Maravilhosa.

Entrevista com novo secretário de Meio Ambiente, Eduardo Cavaliere

12 COMENTÁRIOS

  1. Arraial do cabo possui uma área industrial abandonada depois da falência da antiga “Alcalis”, o estado do Rio precisa de um autódromo, não necessariamente na cidade do Rio, preservar é bom, mas vamos tentar arrumar soluções alternativas para os problemas, pode não ser viável, mas é uma alternativa.

  2. Muito feliz!! que notícia maravilhosa eu dei minha opinião no grupo memórias afetivas que muito falei sobre esse assunto e é o que a maioria está falando sobre um local para a população do bairro e que seja um local para todos do Rio de janeiro que sirva até para visitação de pessoas de outro estado. Um local de Rapel parque de caminhada corrida no verde local de ciclismo esporte em geral contos de história militar tem tudo para ser algo maravilhoso para nós que aqui moramos.chega de obra que para nós tira o que temos a nossa riqueza que é o verde o nosso meio de vida e preservação.

  3. Pode ser feito um grande Parque Verde, parecido como os Parques de São Paulo. Construir Campos e quadras de Futebol, Vôlei, Pista de Skate, Academia para a terceira idade, aparelhos para malhação, Pista de Atletismo, colocação de Quiosques…mas para fazer isso tudo, teria que colocar policiamento reforçado, já que o local é uma Faixa de Gaza e quintal dos Traficantes do Chapadão e da Pedreira que brinca de roubar, sequestrar, matar e desovar naquela Região.
    Também dá pra construir um Batalhão da PM no local.

  4. Quem tenta evitar que se faça alguma coisa no local certamente nunca passou por lá… É lixo e entulho que não acaba mais… Tudo abandonado e a proximidade com uma comunidade é o agravante… Se nada for feito o local será invadido breve…

    • As conunidades no entorno estão por lá por pelo menos 60 anos, e a área preservada nunca foi tocada…

      Não será hoje que vai ser… além de área de preservação e ao lado de uma área militar. Qualquer invasão é considerada crime ambiental e o exército pode ser acionado pra conter a situação.

    • Este é o projeto da sua cabeça retrógrada,
      Pq nós do movimento pró floresta do Camboatá, queremos muito um projeto sustentável para o local e estamos lutando por isso, levante seu traseiro e faça o mesmo, é mole falar né ? Quero ver lutar pela causa, ora faça me favor…..

  5. Como morador da área, me sinto satisfeito em saber que o pouquíssimo do verde e ar puro que nos restou no bairro, será enfim preservado. O projeto nada tinha a ver com a realidade da população local. O ideal seria valorizar o que já existe, construir um espaço de lazer para os moradores que carecem e muito desse tipo de investimento. Chega de asfalto e concreto!

  6. Como morador da área, me sinto satisfeito em saber que o pouquíssimo do verde e ar puro que nos restou no bairro, será em fim preservado. O projeto nada tinha a ver com a realidade da população local. O ideal seria valorizar o que já existe, construir um espaço de lazer para os moradores que carecem e muito desse tipo de investimento. Chega de asfalto!

    • Chapadão na área? Esticar a favela pra lá? É ruim heimmmm…os moradores da área não vão deixar, principalmente o tal aí de Roberto Nunes. Eles devem preferir ao invés do progresso, q o autódromo certamente traria para o local e adjacências, umas bocas de fumo, venda de coca, bandidos armados com fuzis ou, talvez, milicianos, ou os dois, e a “pretensa proteção” que o tráfico/milícia diz dar… é por causa de gentes desse tipo q a coisa não vai pra frente. Egoísmo de grandes f d p…

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui