O deputado estadual Alexandre Freitas (NOVO-RJ) protocolou na Alerj um projeto de lei que prevê a exclusão de quase 300 itens de mercadorias do regime de Substituição Tributária (ST) na cobrança de ICMS de vendas realizadas no estado do Rio, quando o imposto é antecipado por um contribuinte substituto no início da cadeia de produção.
Segundo o projeto, o estado aplica o regime de Substituição Tributária a mais de 750 itens de produtos como forma de facilitar a arrecadação do ICMS, mas isso prejudica o fluxo de caixa das empresas, sobretudo as pequenas e médias, que são obrigadas a arcar com o imposto antes de se capitalizarem com as vendas.

O projeto de lei nº 3905/2021, fruto de amplo debate decorrente de um grupo de estudos com integrantes dos setores público e privado, pretende alterar a lei estadual nº 2.657 de 26 de dezembro de 1996, sem alterar consideravelmente a arrecadação do governo, pois se utilizou da metodologia de Pareto da retirada dos itens correspondentes a 20% da arrecadação do regime.

Há um claro prejuízo ao fluxo de caixa na substituição tributária, justo para quem, usualmente, tem menor porte financeiro: os contribuintes substituídos na sequência da cadeia. Portanto, a substituição tributária facilita a fiscalização da Secretaria de Fazenda, mas prejudica a atividade empresarial de quem mais precisa: o empreendedor mais próximo ao consumidor final, justo o mais próximo à população, que tem sua formação de estoque dificultada com a elevação financeira”, afirma Freitas na justificativa do projeto.

O deputado diz ainda que a exclusão dos produtos deste regime de arrecadação do ICMS também corrigirá uma deturpação constitucional no caso de produtos comercializados por micro e pequenas empresas inscritas no Simples Nacional.

Segundo a Constituição Federal, essas empresas devem ter tratamento jurídico diferenciado, visando a incentivá-las pela simplificação de suas obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, ou pela eliminação ou redução destas por meio de lei, o que a Substituição Tributária dificulta.

Veja a íntegra do projeto, com a lista das mercadorias a serem excluídas do ST na cobrança do ICMS.

1 COMENTÁRIO

  1. A ideia na essência é boa. Substituição tributária significa pagar imposto sobre algo que não se vendeu ainda! E ainda significa trabalhar pro Estado e deixar folgados os fiscais da SEFAZ, que já não querem muito trabalhar…

    Por outro lado, há de se perguntar: ao fim da substituição, a arrecadação vai cair e vai precisar fiscalizar a venda na ponta, por exemplo camelôs! Hoje o Estado não dá bola pra camelô porque a maioria das coisas ele já recolheu na fábrica/importador pela substituição. Ao acabar com isso, vai ter de obrigar o camelô a ter empresa e emitir nota. E aí eu quero ver quem neste Estado do RJ vai ser culhão pra fazer isso!!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui