Qual o nosso papel quando estamos nos relacionando com uma pessoa que tem filhos e essa relação esta começando a esquentar e pode pintar namoro ou até casamento?

A transição da paquera para um namoro, morar juntos ou até mesmo casar é um momento muito significativo na vida de um casal, porém, quando se trata de pessoas já com filhos de uma relação anterior, precisa estar cercada de alguns cuidados, as intenções devem estar bem resolvidas e claras para que se possa viver plenamente os momentos de alegria, mas também se preparar  para quando acontecer situações  desafiadores.

A questão é ter consciência de  que os filhos do seu parceiro farão também parte da sua vida – e vice-versa e é preciso saber lidar bem com essa situação.

Não existe fórmula mágica ou abordagem perfeita de como agir. Cada caso é um caso e tem suas próprias maneiras de determinar como os papéis serão vivenciados. De acordo com que tenho vivido e das inúmeras conversas com outros padrastos, pude extrair algumas dicas que têm me ajudado muito e que podem também te ajudar na sua caminhada. Vamos a elas!

1. Vá devagar – É fácil romantizar  que todos irão se amar imediatamente. Afinal, vocês se amam, os filhos não deveriam sentir o mesmo? Mas, a verdade é que isso não acontece da noite para o dia, em muitos casos, o amor entre a criança e o padrasto ou madrasta demora, ou pode até mesmo nunca acontecer, mas o respeito mútuo, esse sim, deve estar sempre presente.

Construa aos poucos essa relação, vá estabelecendo no dia a dia vínculos com seus enteados. Sem tentar exigir amor ou aceitação, isso deve acontecer naturalmente, as crianças podem recuar e seus esforços podem sair pela culatra se você agir de uma forma muito invasiva.

2. Respeite o papel dos pais biológicos – Madrastas e padrastos podem ser pais adicionais, mas nunca substitutos. Crie uma dinâmica positiva em sua família, onde há espaço para todos conviverem sem que disputas sejam criadas, além de desnecessárias, não contribuirão em nada para sua aceitação e ainda podem afetar a sua relação tanto amorosa, quanto com os seus enteados.

3. Procure não criar expectativas e seja o mais realista possível – Romantizar é uma das principais causas de decepção, o que começou com boas intenções pode causar ressentimento, se as expectativas forem muito altas.

4. Defina e mantenha limites saudáveis – Um erro comum é presumir que a nova família funcionará da mesma forma que a antiga, dê chances ao novo, isso inclui novos hábitos e rotinas, não se prenda ao passado, viva plenamente essa nova experiência e vá ser feliz!

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui