DIÁRIO DO RIO entrevista Karina Tronkos, pentacampeã da WWDC

Aos 24 anos, Karina venceu 5 vezes a competição, que é organizada pela Apple, e produz conteúdo em seu perfil do Instagram, que soma mais de 95 mil seguidores

A carioca Karina Tronkos tem 24 anos, estuda Ciência da Computação na PUC-Rio e esteve entre os 350 estudantes do mundo selecionados para participarem da WorldWide Developers Conference (WWDC). Ela também é pentacampeã na competição internacional, organizada pela Apple. Além disso, ela produz conteúdo no perfil do Instagram nina_talks. Em sua rede, que já soma mais de 95 mil seguidores, Karina fala sobre design e tecnologia.

Além de Karina, oito alunos da PUC-Rio venceram desafio mundial da Apple deste ano. Eles também foram convidados a participar da WWDC e tiveram ainda suas contas de desenvolvedores iOS renovadas por 1 ano na App Store.

Em entrevista ao DIÁRIO DO RIO, Karina contou um pouco de sua trajetória e sobre os projetos que apresentou na competição. Em 2021, ela utilizou no aplicativo a biomimética, área de estudo que se inspira na natureza para desenvolver produtos e serviços mais eficientes e de forma sustentável.

Minha ideia em 2021 foi trabalhar com sustentabilidade e foi aí que eu cheguei na biomimética. A ideia é copiar a natureza, se inspirar, para desenvolver produtos mais eficientes, mais sustentáveis. Tem a mãe natureza, que é a ‘professora’ do aplicativo, e é justamente essas coisas do nosso dia a dia, que a gente nem pensa, nem imagina mas se inspirou na natureza de alguma forma. Então, eu busco trazer isso de uma forma mais didática, mais lúdica, e apresentando a sustentabilidade de uma forma mas legal“, ela explicou.

Karina contou ainda que a tecnologia é um meio muito masculino. Ela falou sobre a importância de, desde pequenas, as mulheres serem ensinadas que a área é uma possibilidade.

Acontecia de entrar em aulas e o professor falar: ‘ué, aqui é aula de computação’ e eu dizer que não, que eu estava nessa aula mesmo. E no mercado de trabalho como um todo, a gente passa por situações que a gente não gostaria, que a gente tem que bater o pé […] é a gente continuar lutando para que as próximas mulheres não tenham que passar por isso“, contou.

Sobre o perfil nas redes sociais, Karina explicou que identificou que haviam poucas mulheres falando sobre a área, em especial sobre início de carreira, e criou o Instagram. E as pessoas se identificaram com Karina e o perfil cresceu. Na página, ela explica sobre tecnologia com três pilares: inspirar, educar e empoderar.

A carioca contou ainda sobre como foi participar do concurso em tempos de pandemia, sobre suas outras experiências e sobre seus planos futuros: “minha ideia é continuar impactando o máximo de pessoas possível sobre tecnologia“.

Confira a entrevista completa:

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui