UNE

O ambiente universitário, nos últimos tempos, tem sido um grande bloco, de pensamento único. Hoje, no entanto, um dos DCEs mais relevantes do nosso Rio de Janeiro seguiu um caminho completamente diverso.

Discordando dos rumos da União Nacional dos Estudantes (UNE), o DCE da PUC-Rio resolveu deixar de participar da entidade. Através de sua página no Facebook, a instituição emitiu a seguinte nota:

“A NÃO PARTICIPAÇÃO NA UNE PELO DCE DA PUC-RIO.

Caros estudantes,

Neste final de semana, ocorre o o 63º Conselho Nacional de Entidades Gerais (CONEG), entidade deliberativa da União Nacional dos Estudantes (UNE), no qual as Entidades Gerais de Estudantes (DCEs, por ex.) realizam seu credenciamento, mediante o qual poderão organizar as eleições de Delegados para o Congresso da União Nacional dos Estudantes (CONUNE). Este, aliás, também será convocado neste mesmo Conselho.

Primeiramente, informamos: a atual gestão do DCE Raul Amaro PUC-Rio não comparecerá a este credenciamento! Não reconhecemos a UNE – e suas respectivas instâncias deliberativas – como uma verdadeira entidade de representação estudantil. Apesar da luta histórica e dos anos de glória da mesma, os últimos anos não lhe foram nada felizes: aparelhada por uns poucos partidos que já a dominam por muitos anos, a UNE se tornou apática e dominada pelo governismo cego, sendo incapaz de lutar pelos estudantes quando quem os prejudica é o Governo Federal – ou qualquer outro governo regional de sua base aliada.

Como prova disso, já em 2009 setores de movimentos estudantis insatisfeitos com a relação da corrente majoritária da UNE – ligada ao PT e ao PCdoB, que controla a entidade há mais de 25 anos – com o Governo Federal criaram uma nova entidade estudantil para representá-los, a ANEL (Assembleia Nacional dos Estudantes – Livre), cuja atuação persiste até os dias de hoje. Atualmente, vemos que essa insatisfação cresce entre os estudantes de todo o país.

Inúmeros são os contingenciamentos direcionados à educação, como os elevados cortes orçamentários e o endurecimento das regras do FIES. Hoje, diversas Universidades beiram a paralisação geral / greve, mas não vemos a UNE nas ruas endossando as críticas ao Governo Federal, responsável direto pelo o que vem ocorrendo. Indiretamente, vemos uma crise institucional e econômica, que afeta toda a nossa sociedade e também os estudantes, que enfrentam dificuldades cada vez maiores para entrar no mercado de trabalho, dada à estagnação de nosso crescimento. Também não vemos qualquer pronunciamento da UNE quanto a isso.

Outra prova do aparelhamento praticado pela instituição – e o seu desrespeito pela autonomia das Entidades Gerais Estudantis – foi a participação, em favor da chapa derrotada [“Abre a Roda”], de membros da Executiva Nacional da UNE (como Mitã Chalfun, Vice-Presidente) nas eleições de DCE ocorridas no final do ano passado, sendo que os mesmos eram alunos de outras Universidades. Essa prática, infelizmente, é recorrente no modus operandi da entidade.

Por todos os argumentos usados, e tantos outros mais, repudiamos a forma como a UNE vem sendo conduzida – e aparelhada – e nos negamos a reconhecer e participar dos Conselhos e Congressos por ela convocados e organizados. Estamos certos de que há outras formas de fortalecer a representação estudantil em todo o país. Contamos com o apoio de nossa amada comunidade de alunos, cientes que estão da lamentável situação apresentada.

Atenciosamente,
Equipe DCE Raul Amaro PUC-Rio”

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui