A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), atendeu 8.220 denúncias de aglomerações em dois meses: uma média de 137 atendimentos/dia.

Iniciado em 31 de março, o Disk Aglomeração funciona, principalmente, com base em chamados feitos à Central 1746 e vem contribuindo para a orientação e dispersão de pessoas em estabelecimentos comerciais e áreas públicas de lazer como medida de controle do novo coronavírus. Os dez bairros mais demandados, até este domingo, 31 de maio, são: Campo Grande, Realengo, Bangu, Santa Cruz, Barra da Tijuca, Taquara, Tijuca, Centro, Copacabana e Recreio dos Bandeirantes.

Além das fiscalizações diárias realizadas por equipes formadas por guardas municipais e policiais militares (do Programa Rio+Seguro), o serviço agora conta com o reforço de agentes da Subsecretaria de Operações da Seop, da Subsecretaria de Vigilância Sanitária (vinculada à Secretaria Municipal de Saúde), da Subsecretaria de Licenciamento, Fiscalização e Controle Urbano (da Fazenda) e de batalhões de área da PM em ações especiais.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui