“A vida é a arte do encontro. Embora haja tantos desencontros pela vida…”

Os versos de “Samba da Benção”, escrito por Vinícius de Moraes (em parceria com Baden Powell), ilustra dois dos maiores encontros da Música Popular Brasileira.

O primeiro, aconteceu em 1965, no Bar Villarino, no centro do Rio.

Reduto de boêmios, artistas, jornalistas e intelectuais, lá, Tom Jobim foi apresentado à Vinícius de Moraes, pelo jornalista Lúcio Rangel, para musicar a peça “Orfeu da Conceição”. 

A peça estreou no ano seguinte. 

A dupla, entrou para a história da MPB.

O outro, aconteceu em 1983, numa churrascaria que eu tinha em São Cristovão, na zona norte do Rio.

Rolava na churrascaria, uma roda de choro aos sábados, à tarde,  comandada pelo já consagrado Zé da Velha.

Um dia, o compositor e flautista, Cláudio Camunguelo – parceiro de Zeca Pagodinho – chegou com Silvério Pontes e apresentou ao Zé, que tomava um chopp, no balcão de pedra do bar.

Fiquei observando a reação do veterano músico ao se deparar com o jovem franzino, que carregava nas mãos um trompete.

Zé da Velha, simpático como sempre, cumprimentou o garoto, mas não deu muita bola. 

Silvério era um menino. 

Mas já tocava como gente grande.

O menino passou a frequentar a roda, junto com outros bambas como

Mário Pereira, Canhoto, Camunguelo, Orlando Silveira, Walter, Luna do Pandeiro e Dino 7 Cordas, entre outros.

Tempos depois, veio a parceria, e com ela, o primeiro disco:  “Só Gafieira”, de 1995, lançado pela Kuarup. 

O disco, com a produção impecável do Mario Aratanha e do Janine Houard tinha pérolas como “Acariciando”, “No Rancho Fundo”, “Feitio de Oração” e “Onde a Dor não Tem Razão”, entre outras. 

Depois desse, vieram mais uma meia dúzia de discos e shows no Brasil e no exterior. 

A dupla fez tanto sucesso que passou a ser conhecida como “A Menor Big Band do Mundo”.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Ediel Ribeiro
Jornalista, cartunista, poeta e escritor carioca. É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG) e Diário do Rio (RJ) Autor do livro “Parem as Máquinas! - histórias de cartunistas e seus botecos”. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) dos romances "Sonhos são Azuis" e “Entre Sonhos e Girassóis”. É também autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty", publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ), desde 2003, e criador e editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!"

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui