Anthony Garotinho tem seus direitos políticos cassados Hoje estava pensando em fazer uma nova enquete sobre as eleições no Rio de Janeiro. Afinal, o jogo já estava meio arrumado. Garotinho (PR), Cabral (PMDB) e Gabeira (PV) seriam os principais candidatos ao governo, enquanto Cesar Maia (DEM), Bispo Crivella (PRB), Pastor Manoel Ferreira (PR), Jorge Picciani (PMDB) e Lindberg Farias (PT) seria os principais para o Senado. Até havia o boato que Crivella poderia vir vice de uma candidatura de Wagner Montes (PDT) mas não estava levando em conta,

 

Então é que, de repente, o jogo dá uma guinada. O TRE-RJ decidiu por 4-3 votos pela inelegibilidade de Anthony Garotinho no processo que também cassou o mandato de sua esposa, Rosinha Matheus (PMDB), prefeita de Campos. Ela e Garotinho ficarão com direitos políticos cassados por 3 anos, além de ser marcada uma nova eleição em Campos. Segundo o TRE, Rosinha usou meios de comunicação indevidamente, com práticas panfletárias na rádio e no jornal O Diário.

Ainda cabe recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e arrisco dizer que é bem capaz de reformar a sentença do TRE. O fato pode ter ajudado a colocar mais lenha na fogueira da briga entre Cabral e Garotinho que, conforme nota em seu blog (pode ser lida mais abaixo), culpa a pressão do atual governador para sua sentença.

 

Clarissa Garotinho Se a sentença se confirmar aí, como dizem, barata voa… Cheguei a cogitar com um amigo que Garotinho podia lançar sua filha, Clarissa, como candidata só para atazanar a vida de Cabral. Mas a vereadora não tem idade, o mínimo para ser governador é 30 anos e ela tem, acho, 28…  bem, podia sacrificar seu escudeiro Geraldo Pudim. Mas algo tenho certeza, ele vai estar com sangue nos olhos contra Cabral.

 

E a saída de Garotinho ajudaria Gabeira? Sim e não, a eleição acabaria sendo decidida no 1o turno mas ia criar uma disputa apenas entre os dois e muitos dos eleitores do ex-governador que nunca pensariam em votar em Gabeira acabaria tendendo para ele… mas se será suficiente? Só o tempo dirá.

 

Leia a nota de Garotinho sobre a decisão de hoje no TRE-RJ:

 

Mais uma covardia contra mim

 

É no mínimo incompreensível a decisão tomada pelo TRE, de cassar a prefeita Rosinha Garotinho e tornar inelegíveis, por abuso dos meios de comunicação, alguns radialistas que nunca tiveram militância política, e entre eles, o alvo: eu.

 

Algumas explicações precisam ser dadas para tranqüilizar a população e restabelecer a verdade dos fatos. A decisão do TRE do Rio modifica a decisão do juiz de Primeira Instância, em Campos, que nem aceitou analisar o mérito desta ação, porque segundo a Lei, só podem propor ações dessa natureza, o Ministério Público Eleitoral, coligações partidárias ou candidato que se sentir prejudicado.
Arnaldo Vianna, o autor da ação nunca foi candidato de fato, o seu registro de candidatura foi negado em Campos, confirmada a negativa pelo TRE, pelo TSE e até mesmo pelo Supremo Tribunal Federal. Ou seja: a decisão do TRE de hoje, é nula e iremos ingressar junto ao Tribunal Superior Eleitoral para anular esse julgamento.

É bom deixar claro, que a decisão não tem aplicação imediata, ou seja: somente após analisado e julgado o mérito pelo TSE, é que a prefeita teria que deixar o cargo. O mesmo caso se aplica mim. Interessante notar alguns aspectos da sessão.
1º Ela vai, em frontal desacordo com os últimos julgados no TSE sobre a matéria que diz para “auferir influência da mídia numa eleição é preciso prova contundente”, o que não existe no processo.

2º O placar apertado, 4 a 3 contraria uma regra do Direito: Na dúvida pró réu. O presidente só dá o

voto de minerva em casos raríssimos no tribunal.

 

3º A sessão foi antecipada. As únicas pessoas que podiam saber disso seriam os advogados das partes interessadas, mas quem estava sentado na primeira fila, assistindo e vibrando com o julgamento era Eduardo Damian, chefe de gabinete do secretário de Governo de Cabral, e também advogado do PMDB do Rio.

 

O julgamento de hoje, é mais um capítulo da longa história de perseguições que venho sofrendo ao longo da minha vida política. Nos últimos dias Sérgio Cabral recebeu pesquisa apontando que a diferença, entre eu e ele havia sido reduzida para 9 pontos percentuais. Mais do que isso, vem fazendo tudo para eu não ser candidato.

 

Vamos anular esse julgamento que não foi jurídico, e sim político. Cabral não quer que eu diga na campanha o que ele vem tentando esconder da opinião pública gastando 495 milhões em propaganda.
Nossos advogados irão tomar todas as providências legais e nós as providências políticas para que Cabral não realize o seu grande sonho, que é ganhar a eleição sem ter adversários. Fica cada dia mais evidente um grande cerco contra a minha candidatura envolvendo, setores da mídia, do Ministério Público, da Justiça, de partidos políticos que foram comprados, para impedir a qualquer custo que o meu nome seja apresentado e julgado pela população nas urnas.

 

Assim como nos acusaram outras vezes e depois tudo ficou provado que era mentira, desta vez não será diferente. È uma luta desigual, de Davi contra Golias, mas o Bem sempre vence o Mal.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui