Durante audiência pública promovida no Dia Mundial dos Animais (04/10) pela Comissão Especial de Saúde Animal da Câmara RJ, o secretário municipal de Proteção e Defesa dos Animais, Vinícius Cordeiro garantiu que o primeiro hospital veterinário público da cidade do RJ estará em funcionamento em 2022. Para o vereador Dr. Marcos Paulo (Psol), presidente da Comissão, a construção da unidade é um passo importante que a Prefeitura dá para começar a saldar uma dívida histórica com a população carioca, que até hoje não conta com sequer um serviço veterinário gratuito e com atendimento 24h.

“Estivemos em São Paulo e trouxemos a experiência dos Hospitais Veterinários Públicos de lá, apresentamos o escopo para a Prefeitura e essa é, sem dúvidas, uma das principais vitórias da causa animal. Precisamos que esta unidade ofereça diversas especialidades, entre elas Ortopedia, Oncologia, além de internações. O Rio não tem sequer um hospital veterinário em funcionamento ao passo que São Paulo conta com três unidades”, explicou o parlamentar, salientando que na cidade do Rio, as protetoras e abrigos desenvolvem um serviço que é constitucionalmente uma obrigação do poder público.

Outro ponto abordado durante a audiência é uma reclamação permanente das protetoras: as castrações de cães e gatos. Segundo o secretário Vinícius Cordeiro, o planejamento estratégico da Prefeitura prevê aumento de até 60% no número de castrações nos próximos três anos, o que deve acontecer de forma gradativa.

“Devemos ampliar o número de castrações em cerca de 20% por ano. Consta no planejamento da prefeitura a criação de outros dois postos de castração, um na região de Jacarepaguá e outro na área no entorno da Pavuna”, explicou o secretário Vinícius Cordeiro.

Sem ampla vacinação contra a raiva desde 2018, o Rio de Janeiro começou a campanha na semana passada e até agora 56 mil cães e gatos foram imunizados, de acordo com a coordenadora de Vigilância de Zoonoses.

Estamos trabalhando para manter os postos de vacinação em lugares de maior vulnerabilidade e onde há grande concentração de animais. Nossa meta é imunizar 600 mil animais”, disse Kemle Rocha Miranda.

Outra cobrança feita pelo vereador Dr. Marcos Paulo foi a manutenção do Fundo de Saúde Animal. Na semana passada, em reunião na Câmara de Vereadores, o secretário de Fazenda Pedro Paulo, anunciou o interesse de extinguir os fundos municipais que não estivessem em atividade.

“O Fundo de Saúde Animal é importante porque pode ser revertido em castrações e em doação de rações para protetoras em situação de vulnerabilidade, por exemplo. Todas as multas aplicadas em quem maltrata animais devem ser direcionadas a este Fundo, que não pode acabar”, defendeu o vereador.

Também participaram da Audiência Pública a vereadora Mônica Benício e o vereador Luiz Ramos Filho. Na Audiência também foi debatido Banco de Rações e Animais Chipados.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui