Ainda está escuro, mas um pequeno grupo já se reúne em um ponto da orla do Rio de Janeiro. Com remos nas mãos, eles se preparam para uma aventura: assistir em alto-mar, a bordo de uma canoa havaiana, ao nascer do sol. O pano de fundo pode ser o Pão de Açúcar, a Pedra da Gávea ou o Cristo Redentor, entre tantos outros. A reação, no entanto, é sempre a mesma. De puro deslumbramento. Desde setembro, quando a Kanaloa Riopassou a oferecer passeios de canoa polinésia, essa cena se repete cerca de 30 vezes por semana. Sempre ao amanhecer ou ao pôr do sol.

Todo o mundo já viu a beleza do mar a partir da orla. O que oferecemos na Kanaloa Rio é o prazer de descobrir o Rio de um ângulo diferente, olhando do oceano para a terra firme – afirma Raphael Magalhães, um dos sócios.

Para embarcar nessa experiência, não precisa ser atleta. Nem sequer saber remar. Basta escolher um local de partida e subir a bordo. As canoas saem de quatro pontos na orla: Marina da Glória, Recreio dos Bandeirantes, Lagoa de Marapendi e Quebra-mar da Barra da Tijuca. Há ainda a opção de navegar pelo mar de Angra dos Reis, de onde partem embarcações da Kanaloa Rio rumo às praias únicas da Costa Verde. A intenção agora é expandir também para Niterói e Búzios. Toda a experiência é registrada em vídeo e em foto e as imagens fazem parte do pacote.

O passeio custa R$ 150 em qualquer roteiro mas neste período do outono está com 30% de desconto, saindo por R$ 105 reais. Crianças a partir de 5 anos e até 12 anos pagam meia.

Queremos justamente proporcionar diferentes experiências aos nossos clientes. Um dia ele pode assistir ao amanhecer olhando para o Pão de Açúcar e, no outro, tem a oportunidade de ver o pôr do sol nas águas da Baía da Ilha Grande – conta Nilson Pellegrini, outro sócio da Kanaloa Rio.

Os destinos podem ser muitos: Forte Lage, na entrada da Baía de Guanabara com o Pão de Açúcar de um lado e o Forte Santa Cruz, em Niterói, do outro; as Ilhas Tijucas; o Parque Chico Mendes e praias mais selvagens da Zona Oeste. Os passeios levam, em média, duas horas e incluem paradas para mergulhos em diferentes pontos.

A iniciativa de proporcionar experiências especiais em alto-mar começou por acaso. Um dos sócios promovia passeios de SUP (Stand up Paddle) e dava aulas de treinamento funcional. Outro, no segundo semestre de 2020, comprou uma canoa havaiana e começou a fazer passeios com a família e amigos próximos, saindo do Recreio. Aos poucos, o movimento atraiu a atenção de banhistas que ficavam curiosos e pediam “caronas”. Em setembro, o que era só diversão virou negócio com a inauguração da Kanaloa Rio, uma forma de compartilhar as delícias do mar com quem tem vontade de se aventurar.

Em tempos de pandemia, a empresa está reforçando os cuidados com as medidas sanitárias. Apesar de a atividade ser realizada ao ar livre, o que reduz as chances de contaminação, todo o material utilizado como coletes salva-vidas e remos são higienizados e o uso de máscara pelos participantes é exigido.

Criada no triângulo polinésio, conjunto de ilhas do Pacífico, a canoa Polinésia – canoa havaiana (Outrigger Cannoe) ou Va’a, como também é conhecida – tem um formato peculiar, com um segundo casco que serve de estabilizador e permite a combinação de velocidade com estabilidade. Desenvolvida para ser meio de transporte, ela se tornou ferramenta para uma prática esportiva muito procurada pelas pessoas que gostam de aventura e de ter contato próximo à natureza.

O Rio de Janeiro é o estado, de acordo com a Confederação Brasileira de Va’a, que concentra o maior número de praticantes de canoa havaiana do Brasil. Um esporte democrático e inclusivo, que incentiva o contato com a natureza e acontece sempre nas mais belas paisagens.

O Rio de Janeiro é possivelmente o local com mais adeptos da canoa havaiana de toda a América do Sul – explica Daniel Camargo, presidente da confederação.

Quem se apaixonar pela experiência, pode seguir adiante com aulas e muito treino. A Kanaloa Rio é o único clube de canoa havaiana com diversas bases ao longo da orla da cidade: Marina da Glória, Quebra-mar da Barra da Tijuca, na Lagoa de Marapendi atrás do Rio Design Barra e no posto 12 do Recreio dos Bandeirantes. E o aluno pode remar a cada dia em um ponto diferente, com canoas para 6 ou 4 lugares, ou com um modelo de especial para surf. Tudo para que apaixonados pelo Rio de Janeiro e pela natureza apreciem e vivam o lado ímpar da cidade.

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui