Escola chegou a abrir no Catete — Foto: Reprodução/Google StreetView

O colégio particular Dantas Itapicurú, no bairro do Catete, na Zona Sul do Rio, retornou com as atividades nesta segunda-feira (13/07), mas teve que fechar as portas no dia seguinte após denúncia de que estaria em atividade descumprindo o decreto da prefeitura, que proíbe a volta às aulas durante a pandemia. A Polícia Militar e a Guarda Municipal confirmaram que estiveram no local nesta terça-feira (14/07).

O prefeito Marcelo Crivella assinou um decreto autorizando a retomada das aulas nas escolas particulares, de forma voluntária, a partir de 10 de julho. Mas voltou atrás com a decisão após a falta de acordo com os sindicatos, que não chegaram a uma conclusão sobre datas e exigências para a retomada das atividades.

Ao portal G1, um membro da direção, que pediu para não ser identificado, contou que sua equipe se baseou no decreto da prefeitura que autorizava o retorno voluntário a partir do dia 10 de julho.

Havia um decreto da prefeitura autorizando as creches e escolas de educação infantil ao retorno voluntário a partir de 10 de julho. Nós entendemos que, como tínhamos condição, fizemos adequação do espaço, e achamos que poderíamos funcionar uma vez que era voluntário. Retornamos ontem e hoje, às 10h30, fomos surpreendidos com uma comunicação da 2ª CRE que aquele decreto tinha sido substituído por outro“, justificou o membro da direção.

O profissional ainda afirmou que só recebeu a informação de que o decreto havia sido substituído nesta terça.

Só recebemos a informação que aquele decreto tinha sido substituto hoje. Se soubéssemos que não podia abrir, a gente não abriria. Eles mandaram um e-mail comunicando que havia sido publicado um novo decreto e que não permitia que as escolas abrissem agora, só no dia 3 de agosto, e, imediatamente a gente tomou essas medidas. O decreto fica na porta da escola. Quando fomos informados que foi alterado, imediatamente trocamos o decreto na porta da escola. Somos absolutamente cumpridores de todas as regras“, acrescentou.

Em nota, a prefeitura, através da Secretaria Municipal de Educação, informou que a escola, mesmo sendo particular, não poderia funcionar nesse período. Mas não informou a data em que as escolas particulares poderiam voltar a funcionar.

Se estava funcionando, é uma irregularidade pelo descumprimento de decreto municipal que determinou a suspensão das aulas durante a pandemia do coronavírus“, dizia a nota.

Em nota, a Polícia Militar, referindo-se ao espaço como creche, informou que, durante a abordagem, o dono da escola apresentou documento municipal autorizando atividade.

“Equipes do 2° BPM (Botafogo) foram acionadas para verificar denúncia, chegada através da Central 190, de que uma escola estaria funcionando ilegalmente na Rua do Catete, Zona Sul da Cidade do Rio. No local, funciona uma creche, cujo diretor mostrou documento municipal autorizando a atividade”, dizia a nota da PM.

Já a Guarda Municipal informou que, ao chegar na escola, os alunos já estavam deixando o local.

“Os alunos já estavam de saída. Os guardas conversaram e orientaram o responsável sobre os decretos e a escola foi fechada em seguida”, informou a Guarda.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

3 COMENTÁRIOS

    • A prefeitura faz a confusão e prejudica a escola e consequentemente seus alunos. Quem conhece o Diretor
      da escola, sabe a postura dele diante das leis de ensino, dos protocolos etc. Confio nele pelo que tem demonstrado até aqui.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui