Foto: Luciana Mesquita

O projeto contempla a finalização da produção, lançamento e temporada de estreia no Rio de Janeiro do espetáculo infanto-juvenil: “O Paraíso Mais Belo do Mundo”, texto para atores e bonecos de José Mauro Brant, inspirado na obra de Valter Hugo Mãe. A peça, que fica em cartaz até o dia 1 de agosto, vai estrear no dia 4 de julho, às 17h, pelo canal do Youtube da Biblioteca Paraíso, também com uma versão traduzida em Libras. Além da encenação, o evento inclui uma série de oficinas, palestras, debates e lives, todas com temas ligados à promoção de leitura e bibliotecas. As atividades serão online e gratuitas mediante inscrições.

Atualmente, um dos nomes mais destacados na literatura de língua portuguesa, Valter Hugo Mãe, português, nascido em Angola, tem conquistado uma legião de leitores apaixonados. Apesar de já ter declarado em um posfácio que não sabe escrever para crianças, entre os seus maiores sucessos editoriais estão os títulos: “O Paraíso são os outros” e “As mais belas coisas do mundo”, ambos narrados por crianças e amados por leitores de todas as idades. O projeto reúne esses dois contos num espetáculo de teatro, transpondo para a cena as inestimáveis lições de vida dessas duas obras primas da literatura, pela primeira vez encenadas para crianças.

O texto, criado por José Mauro Brant, cria um espaço imaginário para o encontro dos protagonistas dos dois contos: “A Biblioteca Paraíso”. Para isso, conta com a ajuda de uma terceira história: “A Biblioteca”, do livro: “Contos de Cães e Maus Lobos”. Lá, na Biblioteca, Miguel e Maria fazem suas descobertas e reflexões, sempre ajudados pelos bibliotecários, o Sr. Américo e Dona Hortênsia. Eles não se conhecem. Enquanto Miguel, instigado por seu avô, procura nos livros pelas coisas mais belas do mundo, Maria procura respostas sobre o que é o amor, e o que une as pessoas como casal. Sem saber que um é a resposta do outro, eles são unidos pelos livros e, juntos, numa história de amizade e superação, chegam à conclusão de que “O paraíso são os outros” e que o mais belo da vida é não estarmos sozinhos.

A encenação, também dirigida por Brant, utiliza técnicas de manipulação direta misturando bonecos e atores para evocar os mais de dez personagens dos contos de Mãe. Para materializar essa ideia, o diretor conta com um elenco de 4 atores- manipuladores e com o trabalho do artista plástico Bruno Dante, que cria bonecos em dimensões humanas que, misturados aos atores, dão o tom da encenação. O cenário de Natália Lana cria a biblioteca, toda construída com módulos de papelão, além de dois livros gigantes de onde surgem os personagens e oferecem outros planos para a ação. A música original de Tibor Fittel traz encanto e musicalidade à encenação. Completam a equipe, os figurinos de Carol Lobato e a luz do premiado Paulo Cesar Medeiros. “Trazemos um projeto potente, que pode ser usufruído por qualquer plateia. Basta ter coração para ouvir as descobertas das crianças criadas por Valter Hugo Mãe, nos fazendo refletir sobre o mundo que queremos deixar para elas”, analisa José Mauro Brant.

O espetáculo

Convidado para realizar uma peça na data em que se completou um ano da tragédia de Brumadinho, o autor e diretor José Mauro Brant ficou estimulado com o desafio: criar um espetáculo especialmente para o público infantil, que pudesse ser usufruído por todas as idades, com mensagens de esperança e superação a ser realizado em vários locais de diferentes distritos da cidade de Brumadinho, ressignificando espaços marcados pela tragédia. Assim nasceu “O Paraíso Mais Belo do Mundo” a partir da obra de Valter Hugo Mãe. Graças a reunião de um grupo de artistas, que, de forma voluntária, tornou possível a realização dessa primeira etapa; com seis apresentações na cidade de forma gratuita e cerca de dois mil presentes ao todo. “As mensagens de superação e esperança do espetáculo se tornam ainda mais potentes no momento pós-pandemia. Temas como relação com os mais velhos, a superação da morte, o amor pelo conhecimento, pela ciência, pelos livros e, principalmente, a valorização da família colocando o “outro” como o “Paraíso” sonhado por Valter Hugo, fazem de “O Paraíso Mais Belo do Mundo” o espetáculo certo, na hora certa, para tempos que vamos agora viver”, reflete.

Programação gratuita:

Exibição: Canal do Youtube da Biblioteca Paraíso

https://www.youtube.com/c/BibliotecaParaíso

4 de julho

17h – Estreia do espetáculo “O Paraíso Mais Belo do Mundo”, com versão traduzida em Libras.

18h – Palestra de Abertura: “Na Vigília da Memória com Valter Hugo Mãe – Uma Leitura”

A pós- doutora em Leitura, Eliana Yunes, parte da obra de Valter Hugo Mãe e do texto do espetáculo “O Paraíso Mais Belo do Mundo”, para traçar um retrato poético da importância do livro e da biblioteca, seja ela qual for, na formação de um indivíduo leitor.

OFICINAS – REALIZADAS TODAS AS QUARTAS DE JULHO.

7 de julho – OFICINA 1 – A BIBLIOTECA TERAPÊUTICA – Biblioterapia: leitura (s) como reinvenção de vida – 18h

Significando “terapia por meio de livros”, a Biblioterapia pode ser compreendida como uma ferramenta que se utiliza do cuidado com o outro. A partir de seleção apurada de textos — preferencialmente os literários — há, no encontro biblioterápico, a potencialização da palavra e da escuta objetivando a construção de um diálogo que poderá servir de base para reinventar modos de ver, ser e caminhar no mundo e na vida.

14 de julho – OFICINA 2 – A BIBLIOTECA AFETIVA – “Formando e transformando bibliotecas” – 18h

A noção de acervo e as infinitas possibilidades criativas de organizar e dinamizar bibliotecas. A oficina trabalha o conceito de biblioteca e estimula a facilitação do seu acesso por meio de soluções criativas e sedutoras, visando estimular os leitores de todas as idades na sua relação com os livros e a leitura.

21 de julho – OFICINA 3 – A BIBLIOTECA VIRTUAL – “Leitura e Hiperleitura no Mundo Digital” – 18h

Partindo da experiência de cada um com o mundo digital e com a leitura, a proposta é entender os novos suportes que a evolução tecnológica apresenta e assim desconstruir mitos e medos do mundo digital.

28 de julhoOFICINA 4 – A BIBLIOTECA VIAJANTE – “Oralidade e jogo cênico na animação de acervos” – 18h

O que são práticas leitoras? Como estimular no outro o desejo do livro? O conceito de animação de leitura. O acervo viajante, o que levar na mala?  Oralidade e joga cênico nas práticas leitoras com a intenção de promover o livro e a leitura.

LIVE DE ENCERRAMENTO

31 de julho – Mesa – Visões criativas sobre o espaço de Ler – “Experiências – Brasil/Portugal” – 16h às 18h.

Nessa atividade de encerramento, os cinco especialistas do projeto debatem iniciativas criativas no espaço da biblioteca e políticas de promoção de leitura com convidados do Brasil e de Portugal. Também participarão representantes da SEC e do SESC Rio de Janeiro.

Informações e inscrições para as oficinas pelo e-mail: abibliotecaparaiso@gmail.com

Ao final do evento, os registros de todas as atividades ficarão online, disponíveis no Canal: “Biblioteca Paraíso”.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui