Foto: Eliane Carvalho/Divulgação

No primeiro trimestre de 2021, a Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro (Jucerja), órgão vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais, registrou 14.938 novas empresas abertas no estado do Rio, um aumento de 40,5% em relação aos três primeiros meses de 2020 (10.636 novos negócios).

No mesmo período, 5.979 empresas fecharam as portas no estado. No entanto, o saldo entre o total de negócios novos e empresas fechadas foi positivo (8.959).

Os meses de fevereiro e março de 2021 também bateram o recorde de aberturas nos últimos 20 anos. Só em março foram contabilizadas 5.862 novas empresas. O número é 82,5% maior do que o registrado no mesmo mês em 2020 (3.212). Já em fevereiro, a Junta Comercial somou 4.720 novos negócios, um aumento de 32% em relação a fevereiro de 2020 (3.565). Um ano antes da pandemia, no primeiro trimestre de 2019, o número de novas empresas chegou a 11.615, 22,2% a menos do que em 2021.

O Governo do Rio tem buscado apoiar o empreendedor fluminense com medidas para reduzir a burocracia, melhorar o ambiente de negócios e facilitar a abertura de empresas, aumentando, consequentemente, o potencial do Estado para fazer negócios e assim gerar empregos e renda para a população“, afirma o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, LeonardoSoares.

Durante todo o período de pandemia, a Jucerja não parou, realizando todos os processos de forma digital: “A Junta vem trabalhando para tornar os procedimentos mais ágeis, alcançando a meta estabelecida pelo Governo do Estado de até duas horas para abertura de novas empresas. Em fevereiro e março, a média de tempo foi de 41 e 43 minutos, respectivamente”, destaca o presidente da Jucerja, Affonso D’Anzicourt.

Geração de empregos

Segundo o secretário, o aumento de novas empresas pode ser o reflexo de uma nova economia que está sendo criada neste período de pandemia, em que o país inteiro está enfrentando o problema do desemprego. Soares acredita que o empreendedorismo tem sido uma saída buscada por muitas pessoas.

Além disso, estamos apostando na construção civil para gerarmos novas vagas de trabalho formais, com carteira assinada. Vamos lançar quatro concessões de rodovias até o fim do ano. É uma das formas de atuação do Governo do Estado para oferecer oportunidades para o trabalhador fluminense, aquecendo a nossa economia e oferecendo serviços de qualidade para a população“, explica Soares.

Ele ainda destaca a realização de leilões para trazer novas usinas termoelétricas para o Rio de Janeiro: “Estamos fazendo o nosso dever de casa, pois não temos tempo a perder. Conseguimos modernizar a legislação local sobre geração de energia e acreditamos que estes quatro leilões de termoelétricas, que são feitos em âmbito nacional, podem trazer três empreendimentos para o nosso estado. E cada um deles gera quase 3 mil empregos na construção civil”.

Ranking por setor

Entre as empresas criadas em 2021, o serviço de apoio administrativo teve o maior número de novos negócios. Em seguida, aparece o comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios e as atividades médicas ambulatoriais. Veja o ranking:

  1. Serviços Combinados de Escritório e Apoio Administrativo: 540
  2. Comércio Varejista de Artigos do Vestuário e Acessórios: 469
  3. Atividade Médica Ambulatorial Restrita a Consultas: 394
  4. Restaurantes e Similares: 394
  5. Atividades de Consultoria em Gestão Empresarial: 368
  6. Lanchonetes, Casas de Chá, de Sucos e Similares: 366
  7. Comércio Varejista de Mercadorias em Geral, com Predominância de Produtos Alimentícios, como Minimercados, Mercearias e Armazéns: 291
  8. Serviços de Engenharia: 264
  9. Construção de Edifícios: 263
  10. Treinamento em Desenvolvimento Profissional e Gerencial: 239

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui