Foto: Pilar Olivares

O Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira (27/02) que o número casos suspeitos do coronavírus subiu de 5 para 9 no Estado do Rio. De acordo com a pasta, duas pessoas estão sendo monitoradas no Rio de Janeiro, duas em Niterói, na região metropolitana, e uma em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Ou outros casos não foram divulgados.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Um dos casos suspeitos, identificado em Nova Iguaçu, foi em uma paciente de 49 anos. A mulher, que não teve a identidade divulgada, chegou ao Hospital Geral da Posse com um quadro de febre, coriza e tosse, sintomas do coronavírus.

Após ser classificada como um caso de baixa complexidade no protocolo do Ministério da Saúde, a paciente foi transferida para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Botafogo.

Entretanto, de acordo com a Prefeitura de Nova Iguaçu, a paciente disse apenas na UPA Botafogo que havia ido à Europa e feito uma conexão em Milão, região da Itália que sofre um surto da doença. Depois do aviso, os médicos responsáveis pelo atendimento iniciaram o protocolo de bloqueio da doença.

A SES-RJ reiterou que não há nenhum caso do novo coronavírus confirmado no Estado e pediu para a população não se alarmar. A secretaria também relembrou a importância de cuidados básicos, como lavar frequentemente as mãos, proteção de nariz e boca ao espirrar e tossir, além da utilização de álcool em gel.

O Brasil teve o primeiro caso confirmado do coronavírus nesta quarta-feira (26/02) em um paciente na cidade de São Paulo.

1 COMENTÁRIO

  1. Ou seja, apenas quando atendida na unidade de Botafogo ela avisou que havia ido à Europa e feito uma conexão em Milão.
    De duas uma.
    Ou a mulher mentiu, a fim de ter um atendimento prioritário. Mas, de qualquer forma, mobilizando equipes em vão.
    Ou a mulher foi extremamente egoísta, não tendo avisado desde a primeira vez, logo, mantendo contato com inúmeras pessoas…
    Devia ser aprovada uma lei prevendo prisão para ambos os casos.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui