Estado do RJ tem 5 regiões com risco muito baixo de transmissão da Covid-19

Cidades como Niterói, Saquarema, Petrópolis, Itaperuna e Três Rios estão englobadas no relatório; na capital, por exemplo, chance é baixa, mas um pouco maior

Imagem meramente ilustrativa de Petrópolis, na Região Serrana do RJ - Foto: Reprodução/Itinari.com

Divulgada na última sexta-feira (07/01), a 63ª edição do Mapa de Risco da Covid-19, elaborado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), mostra que todo o estado do Rio de Janeiro apresenta baixo risco de transmissão da doença, sendo que, em 5 regiões, a chance é muito pequena. A análise, vale ressaltar, compara as semanas epidemiológicas 51 (19 a 25 de dezembro) e 49 (05 a 11 de dezembro).

A bandeira verde está presente nas regiões Metropolitana II, Baixada Litorânea (dos Lagos), Serrana, Noroeste e Centro-Sul. Já a amarela na Metropolitana I, Baía de Ilha Grande (Costa Verde), Médio Paraíba e Norte Fluminense.

Foto: Divulgação/SES-RJ

De acordo com a SES, a partir de meados da 52ª semana epidemiológica (26 de dezembro a 01 de janeiro), foi identificado um aumento repentino na taxa de positividade dos testes de RT-PCR para detecção da Covid-19. A taxa passou de 1,4%, no fim de dezembro, para mais de 20% nos primeiros dias de janeiro. Esse aumento, também segundo a pasta, ainda não se reflete nesta edição do mapa de risco, que traz dados de semanas anteriores.

É importante esclarecer que os indicadores utilizados para análise do mapa levam em consideração a capacidade instalada (leitos e taxa de ocupação) e o aumento no número de óbitos e internações, além da taxa de positividade. Até o momento, esses dados não apontam para uma piora da situação de risco da Covid-19, sendo reflexo do avanço da vacinação em todo o estado.

”Estamos diante da circulação de uma nova variante com alta capacidade de transmissão. Porém, até o momento, não estamos vendo um agravamento dos casos, que em geral se apresentam de forma leve e até sem sintoma. Parte disso se deve ao grande percentual da população imunizada. Por isso, é extremamente importante que o calendário vacinal seja observado com atenção. Quem ainda não tomou a segunda dose deve procurar um posto de saúde o mais rápido possível, assim como as pessoas que já podem receber a dose de reforço”, diz o secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe.

Bandeiras

No estudo da SES, cada bandeira representa um nível de risco e um conjunto de recomendações de isolamento social, que variam entre as cores roxa (risco muito alto), vermelha (risco alto), laranja (risco moderado), amarela (risco baixo) e verde (risco muito baixo). Os resultados apurados para os indicadores apresentados devem auxiliar a tomada de decisão, além de informar a necessidade de adoção de medidas restritivas, conforme o nível de risco de cada localidade.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui