Cidade de Deus tem o primeiro doente de COVID-19

Um grupo de pesquisa de uma ONG, em parceria com uma universidade americana, realizou um estudo sobre pandemia na Cidade de Deus, na Zona Oeste. Os resultados mostram que a extrema pobreza quase dobrou em um ano: saiu de 12% em março de 2020 para 20% em março de 2021.

O desemprego na região já atinge 54% da população, segundo levantamento do coletivo de pesquisa Construindo Juntos. Segundo a maioria da população – um percentual de 59% – o maior impacto foi causado exatamente por isso: a falta de emprego e a queda na renda

Os dados também mostram que quem estendeu a mão para ajudar foi a mobilização da própria comunidade. O socorro do governo não está chegando.

  • 46% dos entrevistados dizem que receberam ajuda de uma ONG e grupo social
  • 18% tiveram assistência de igrejas e comunidades religiosas
  • 18% receberam ajuda de amigos ou parentes
  • 3% receberam ajuda de uma agência pública

O estudo apontou ainda como a dificuldade de 83% dos moradores para pagar as contas reflete na economia local. Menos gente com dinheiro, menos gente gastando dentro da comunidade. Ou seja, isso impacta diretamente no comércio loca..

O Construindo Juntos, em parceria com a universidade sedia em Massachusetts, desenvolveu a pesquisa para avaliar o impacto sócio-econômico da pandemia em uma das comunidades mais vulneráveis do Rio, a Cidade de Deus. A pesquisa durou sete meses e foi feita de forma digital com cerca de 600 pessoas que responderam um questionário. A pesquisa foi dividida em temas, sendo um deles a economia.

#TemGenteComFome

O DIÁRIO DO RIO está produzindo uma série de matérias mostrando os números da miséria no Rio de Janeiro. Na primeira matéria, constata-se que a pobreza extrema ganhou números ainda mais inaceitáveis durante a pandemia causada pelo Coronavírus.

De acordo com dados de estudo da FGV Social, cerca de 1,7 milhões de pessoas vivem em situação de miséria no Rio. E na série #TemGenteComFome, o DIÁRIO vai mostrar a história de algumas pessoas entre tantas que enfrentam a pobreza extrema.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui