CCBB Rio de Janeiro por Daniela GoulartO CCBB Rio teve em 2012 a 2ª exposição mais visitada do mundo, a “Amazônia, Ciclos de Modernidade” (7.928 visitantes/dia), além da 7ª – “Corpos Presentes – Still Being” (6.909 visitantes/dia) e também a 11ª “Índia!” (6.347 visitantes/dia). O CCBB Rio é a 17ª instituição cultural mais visitada em todo o mundo em 2012 e a 1ª no Brasil, segundo ranking internacional de exposições do informativo inglês The Art Newspaper.

A temporada da exposição “Impressionismo: Paris e a Modernidade” no CCBB Rio, que recebeu 561.142 visitantes, não foi incluída no ranking de 2012, a mostra ficou em cartaz até janeiro de 2013 e será incluída nas estatísticas deste ano.

Na categoria Top Ten Exposições Temáticas, “Amazônia, Ciclos de Modernidade” e “Índia!”, realizadas pelo CCBB Rio, ocupam 1º e 2º lugares, respectivamente. Na Top Ten Contemporânea o CCBB RJ emplacou o 2º lugar com “Corpos Presentes – Still Being”.

Ainda entraram no ranking principal as mostras: “Tarsila do Amaral – Percurso Afetivo” (CCBB RJ – 2.948), “Viva Elis” (CCBB RJ – 2.285), “Anticorpos -Irmãos Campana” (CCBB RJ – 1.700) e “Rabin Ajaw – A filha do Rei” (CCBB RJ – 1.557).

O grande valor destes números para trazer o Rio de Janeiro de volta como centro cultural de artes é o parágrafo abaixo do artigo sobre os números de visitas nas exposições:

The appetite of Brazilians for exhibitions is remarkable, as we noted in last year’s survey, especially for the (non-charging) shows organised by the Centro Cultural Banco do Brasil. The exhibition halls in its Rio de Janeiro space were crowded thanks to an ambitious visual history of the Amazon, its best attended show, at 7,928 visitors a day, followed by the British artist Antony Gormley’s sculpture (6,909 a day). When Impressionist works from Paris’s Musée d’Orsay visited the bank’s cultural centre in São Paulo, they attracted just short of 6,000 visitors a day. The Rio leg of the tour, which ended in January and so will appear in the survey next year, attracted almost 8,000 visitors a day, confirming the Orsay’s faith in Latin America as a lucrative tour destination besides Asia.

Se não fala a língua de Obama, em resumo, é que o fato de exibições como as de obras impressionistas do Musée D´Orsay, confirma a crença do museu que as turnês na América Latina podem ser tão lucrativas quanto as da Ásia.

E quanto mais cariocas irem às exposições, aumentam as chances de grandes obras virem para a nossa cidade. Que isso aconteça;

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui