Exposição ‘Sempre é de novo a primeira vez’ é destaque na Danielian Galeria

Mostra de arte ficará em cartaz até o fim de janeiro de 2021; entrada é gratuita, mediante agendamento

Fernando Lindote - Não te esqueças que eu também venho dos trópicos (As três ninfas)

A Danielian Galeria, um dos espaços dedicado às artes mais conceituados do Rio, recebe até o dia 30 de janeiro de 2021, a exposição “Sempre é de novo a primeira vez”, que traz um recorte de produções artísticas de diversas regiões do Brasil, capitaneada por grandes nomes da arte nacional. A mostra marca o início do trabalho de Marcus Lontra Costa como diretor artístico na galeria localizada na Gávea, na Zona Sul do Rio. As visitações serão gratuitas, mediante agendamento (Confira os detalhes no final da matéria).

Em parceria com o curador-adjunto Rafael Peixoto, Marcus Lontra selecionou trabalhos de onze artistas, que segundo ele, são “de diferentes linguagens, campos poéticos, gerações e regiões do país”: Anna Bella Geiger, Carlos Vergara, Nelly Gutmacher e Manfredo de Souzanetto – “que já fazem parte da história da arte brasileira”, salientam – Marçal Athayde (1962), Josafá Neves (1971), Geraldo Marcolini (1969), Christus Nóbrega (1976) e Fernando Lindote (1960), representados pela galeria, e de Jorge Guinle (1947-1987) e Glauco Rodrigues (1929-2004), de quem a Danelian é responsável por seus legados artísticos. Os curadores afirmam que a exposição estabelece “diálogos e conversas curatoriais entre muitas áreas da produção artística atual brasileira”.

O nome da exposição é um trecho retirado da canção “Anna Bella”, de Antonio Cícero e Marina Lima, lançada em 2006. Na composição, a dupla de irmãos descreve uma conversa imaginária com Anna Bella Geiger.

O verso aparece como inspiração primeira dessa exposição coletiva que se desenvolve a partir de uma homenagem à Anna Bella Geiger, para mim é a mais importante artista brasileira viva”, explica Lontra, que também conta que a exposição destaca a proposta da Danielian Galeria de atuar com artistas de diversas gerações, e também em sintonia com seu trabalho como curador ao longo dos anos.

Desde a exposição ‘Como vai você, Geração 80?’, em 1984 (a primeira que organizou) até os dias de hoje, sempre acreditei que a arte brasileira deve refletir a pluralidade estética e cultural do país. Sempre defendi que um país complexo e rico como o Brasil deve ter igualmente uma arte complexa, rica e diversificada”, diz o autor, que completa.

Durante toda minha trajetória profissional sempre procurei sair do eixo dominador econômico da arte brasileira que é o eixo Rio-São Paulo. Fiz trabalhos em Brasília, Salvador, Recife, entendendo que é a partir desta compreensão e desta apropriação de todas as experiências de todas as regiões brasileiras que se consegue retratar e refletir o Brasil”.

Ele acrescenta que esta percepção está muito presente em seu trabalho como curador do Prêmio Marcantônio Vilaça, onde “procuramos o olhar nacional, valorizando os artistas de Rio e São Paulo, mas também das diversas regiões brasileiras”, conclui.

Protocolos contra a Covid-19

A Danielian Galeria seguirá todo o protocolo de proteção contra o Coronavírus. O uso de máscara será obrigatório, e as visitas serão agendadas, pelo email, telefone ou site da galeria, com grupos pequenos, mantendo o distanciamento social. Os ambientes terão permanente higienização e álcool gel disponível. Caso um visitante esteja passando em frente à galeria, e não houver nenhuma visita agendada naquele momento, ele será recebido, lembrando que o uso da máscara é obrigatório.

SERVIÇO: “Sempre é de novo a primeira vez”
Danielian Galeria, Gávea, Rio de Janeiro
De 12 de dezembro de 2020 a 30 de janeiro de 2021
Curadoria: Marcus Lontra Costa
Curador-adjunto: Rafael Peixoto
Entrada gratuita
Danielian Galeria, Gávea, Rio de Janeiro
Rua Major Rubens Vaz, 414, Gávea, Rio de Janeiro, CEP 22470-070
Telefone: +5521.2522.4796
Email contato@danielian.com.br
Site
Instagram

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui