Foto: Reprodução/Internet

Saneamento básico, certamente, é um assunto muito importante para a sociedade. Trata-se da atividade de coleta e tratamento de esgoto, limpeza urbana, manejo de resíduos sólidos e controle de pragas. E no Rio de Janeiro as notícias não são animadoras.

De acordo com estudo realizado pela Casa Fluminense, organização que analisa dados oficiais da Região Metropolitana do Rio, mais de 2.200 internações foram registradas em 2018, em virtude de doenças ocasionadas pela falta de saneamento básico.

No levantamento, foram contabilizados casos de leptospirose, malária, febre amarela, dengue, esquistossomose, entre outros, todos registrados em 2018. Do total, 71% das internações afetaram crianças de até 9 anos de idade.

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Direito Médico e Bioética (ANADEM), Raul Canal, saneamento é o direito fundamental mais negligenciado no país atualmente.

”O saneamento básico tem ligação direta com a saúde e a qualidade de vida do cidadão. E a sua falta, além de aumentar a desigualdade social e ferir a dignidade do
ser humano, é um impedimento a um maior desenvolvimento econômico do país”
, afirma.

Segundo Raul, além dos serviços de abastecimento de água potável e coleta, tratamento e disposição final dos esgotos sanitários, também fazem parte do saneamento básico a drenagem e manejo das águas pluviais urbanas, a limpeza urbana e o manejo dos resíduos sólidos. O presidente da ANADEM chama a situação de ”gravíssima”, porque o atendimento tardio pode agravar os sintomas das pessoas que se encontram nesta situação.

”Uma criança que bebe água contaminada, ou mora no meio do esgoto, não tem saúde e não consegue estudar. Com isso, não terá oportunidade de ter uma profissão, melhorar de vida ou colaborar para o desenvolvimento do país”, completa Canal.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui